quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Progama FALANDO SÉRIO na CREATIVE TV de Picuí-PB





No Programa FALANDO SÉRIO da CREATIVE TV, apresentado por Fabiana Agra - jornalista e advogada - e pela Profª do IFPB/Picuí Virna Cunha, falamos sobre nossos livros, sobre a conjuntura politica brasileira atual e a relação dela com o golpe civil-militar de 1964 e o Estado autoritário que perdurou por longos 21 anos, dentre outras coisas.

Exploramos nossas produções acadêmicas ou não, expressamos nossas preocupações com a atual conjuntura, onde o Brasil parece estar sendo propositadamente desmontado, mas não deixamos, também, de analisar as questões com nossos olhares de estudiosos das ciências humanas e sociais, pesquisadores que somos de nossa realidade.


O Programa, gravado em 08 de novembro de 2017, foi ao ar pela CREATIVE TV (www.canalctv.net ), a primeira TV via internet da cidade de Picuí (PB) que cobre toda a região do Curimataú e Seridó Paraibano. A CREATIVE TV contribui para o desenvolvimento midiático da região registrando fatos do dia-a-dia e levando informação, cultura, entretenimento, esportes, educação para a população da cidade e da região.


No mesmo dia em que gravamos este programa na CREATIVE TV, tivemos o evento Roda de Conversa com discentes e docentes das Redes Estadual e Federal de ensino, promovido pela Diretoria de Desenvolvimento de Ensino do Instituto Federal da Paraíba (IFPB) - Campus de Picuí. Tivemos o lançamento do livro "O DEZESSEIS - OS RETIRANTES DA DEMOCRACIA" de Fabiana de Fátima Medeiros Agra e do meu livro, além de um excelente debate sobre o Golpe Civil-Militar de 1964 e a atual conjuntura golpista que enfrentamos. Na ocasião fui brindado com uma resenha muito interessante feita pela professora Virna Cunha que pode ser lida abaixo.


A esquerda pela esquerda: Consciência e ciência do papel dos grupos de esquerda na Paraíba por Virna Cunha Farias


 Gilbergues Santos é graduado em História pela Universidade Federal da Paraíba – UFPB, especialista em História política do Brasil República e é mestre em Ciência Política pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. Gilbergues é professor da Universidade Estadual da Paraíba – UEPB desde 1993. O pesquisador também se dedica a blogs sobre política e a programas em rádio em que refletia a conjuntura política do momento.
Em "Heróis de uma revolução anunciada ou aventureiros de um tempo perdido?" o autor faz uma análise do papel dos movimentos de esquerda em Campina Grande com recorte temporal para os anos de 1968 a 1972, anos considerados difíceis devido ao endurecimento da Ditadura Militar instalado aqui após o golpe de 1964. Sua pesquisa volta-se para as ações do Partido Comunista Brasileiro – PCB – e da tendência que este partido de linha marxista – leninista apresentava para um viés de autoritarismo e a antidemocrático. 

Temos uma obra que traz uma contribuição muito grande não apenas por mostrar os movimentos de esquerda aqui na cidade, mas pelo lado autoritário desses movimentos serem pensados e mostrados por alguém que também militou na esquerda, temos então a esquerda vista pela própria esquerda e não o antagonismo esquerda X direita que sempre se apresenta quando o assunto é autoritarismo.
O livro está dividido em 3 capítulos, além da apresentação feita pelo professor Rangel Júnior , reitor da UEPB e das partes introdutórias e das considerações finais do autor. No primeiro capítulo, "PCB e a Matriz autoritária da Esquerda Brasileira", o autor discute os principais elementos autoritários do PCB e as críticas de Marx à democracia, entendida por ele como coisa de burguês. O autor ainda reflete no mesmo capítulo sobre a pobre tradição democrática de nossa sociedade e a relação entre comunistas e militares.
No segundo capítulo, "O dilema dos comunistas: revolução ou reformas?", o autor discute as ambiguidades em torno da luta dos comunistas sempre colocando em pontos contrastantes questões como as reformas sociais tão desejadas pelas classes trabalhadoras, embora que elas custem à democracia. Os opostos estão sempre presentes neste momento conturbado que a esquerda se finca entre as reformas ou a violência revolucionária até retornarem ao caminho da ação armada. Neste momento, o pesquisador reflete também como essas inquietudes da política nacional eram absorvidas em Campina Grande, objeto principal de sua investigação.
No terceiro e último capítulo, "Atuação das organizações revolucionárias em Campina Grande", o autor volta-se para o seu objeto de estudo e relata como essas organizações de esquerda agiram na Rainha da Borborema. Nas considerações, o pesquisador retoma partes já comprovadas e conclui como a atuação das organizações revolucionárias de esquerda se mostraram antidemocráticas e autoritárias, apesar de não haver usado de luta armada em Campina Grande. Acredita o historiador em que o fato de Campina ser uma cidade interiorana tenha contribuído para que o papel desenvolvido aqui tenha sido de apoio e infraestrutura, mesmo estando a esquerda daqui antenada com o que acontecia no resto do país.
O livro traz uma contribuição muito grande não só na área de História, mas também na de Sociologia já que estuda questões inerentes aos movimentos sociais como também a forma que a nossa sociedade entende o processo democrático.  A reflexão que deixa de como o homem é afeito a meios autoritários para se chegar a determinados fins faz com que percebamos que dominar através da força bruta não é coisa nem de direita, nem de esquerda, mas coisa do ser humano, da fera que há no homem de todos os tempos.

Nenhum comentário:

Siga-me por Email

GilBlog - Arquivo

Postagens populares

Seguidores

Google+ Followers

Total de visualizações de página

Marcadores