DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

terça-feira, 15 de março de 2016

Quando a “Casa-Grande” vai à rua


Existem imagens que de tão ululantemente óbvias, como diria Nelson Rodrigues, não pedem legendas. A imagem (ao lado) que “viralizou” nas redes sociais se basta a si mesma e me fez lembrar a ilustração (abaixo) de Jean-Baptiste Debret. Em ambas vemos a mesma coisa: uma família de brancos na rua seguida pelos seus serviçais negros.

Na foto a família branca (vestida com a cor oficial de uma crescente onda de despolitização conservadora e autoritária) se dirige, no Rio de Janeiro, para a manifestação anti governo e pró-impeachment, contra corrupção, por intervenção militar, ou seja lá pelo que essa gente se bate, seguida pela babá (negra) que guia o carrinho com os bebês. Notem que a mãe segura a coleira de um cachorrinho também branco. Os donos da “Casa-Grande” foram à rua portando a moradora da “Senzala”. E é essa gente que diz lutar por um Brasil mais justo. Eles lembram líderes da Conjura Mineira que diziam que uma vez vitoriosos não poderiam acabar com a escravidão, pois do contrário quem iria trabalhar na extração do ouro, no plantio da cana-de-açúcar ou nos serviços domésticos?

O caro leitor interpretará a imagem da maneira que bem quiser, mas lembre que quem bate na panela não é a moça de branco e quem protesta é a “sinhá” que até se preocupa em olhar para seus filhos, mas que não se dá ao trabalho de carrega-los. Os donos da “Casa-Grande” não suportam a ideia de ter que pagar direitos trabalhistas para a moça, de branco, que veio da “Senzala”. Deve ser por isso que lhes negam o direito do descanso dominical.

No século XIX, o pintor francês Jean-Baptiste Debret veio ao Brasil com a Missão Artística Francesa que fundou, no Rio de Janeiro, a Academia Imperial de Belas Artes. Aqui, Debret pintou quadros retratando paisagens e o cotidiano dos brasileiros. O quadro ao lado é o “Passeio com a família”, publicado em “Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil”. E o que nele se vê? Mesma coisa da imagem do domingo 13 de março. O senhor vai passear com sua branca família trazendo consigo um séquito de negros. Note que uma das escravas carrega um bebê tal qual a babá negra do século XXI.

Vi numa rede social alguém dizer que não dá para discutir direitos sociais com quem ainda não aceita a “Lei Áurea”. Pois é, não dá para discutir sobre a transformação de nossa realidade politica, social e econômica com uma gente que vai participar de manifestações levando consigo os excluídos de sempre. Não posso tratar das coisas da politica, sequer do fato que é preciso reformar nossas instituições para tentar controlar a descontrolada corrupção, com pessoas que reproduzem em casa e fora dela uma ancestral desigualdade social, racial, econômica.

Em outra imagem, uma senhora, de verde-e-amarelo lógico, branca e loira, toma champanhe em uma taça. Madame fez questão de mostrar o símbolo de seu status e de seu poder. Estaria madame disposta a ir às últimas consequências para ver na Presidência da República alguém acostumado aos bons vinhos e jantares? Parece que sim, do contraria não estaria sacrificando seu regabofe dominical para xingar a presidente, constitucionalmente eleita, da República. Madame cansou de ter um caboclo presidente como diria Herbert Viana. Notem que outros abnegados pelas causas da politica brasileira também bebem de um champanhe que descansa em um balde de gelo que bem poderia ser de prata. Tinha razão Cazuza quando dizia que a burguesia fede, apesar de ter muito dinheiro para comprar perfumes.

E o que dizer da singela imagem do barquinho que ia mesmo que a tardinha ainda não tivesse caído? A Globo News exibiu demoradamente a imagem de um iate singrando os mares cariocas ostentando a faixa “fora Dilma”. É um verdadeiro negócio de ocasião. Enquanto se divertem, cariocas endinheirados pedem para alguém por a presidente eleita para fora. São nesses dias de estultice politica que um Millôr Fernandes faz tanta falta, pois só mesmo ele poderia se sair com uma frase curta e franca sobre a mãe de todos os paradoxos que essas imagens encerram. Lembrei-me de Karl Marx que afirmava que a burguesia é capaz de tudo para defender seus interesses até mesmo lutar contra o sistema politico que lhe garante ser dona dos meios de produção.

Enquanto sinhôs e sinhás desfilam suas belezas pelas manifestações, indignados por que um governo se atreveu a promover alguma justiça social na ordem tupiniquim, a elite politica, gerada entre a Casa-Grande e a Senzala, se despe de qualquer recato republicano e/ou democrático e se lança ensandecida, numa luta de vida e morte, para impedir que nas próximas eleições o caboclo presidente volte a frequentar os corredores dos palácios e a compartilhar dos bons vinhos.

É que o Sinhô não quer mais ver o filho da escrava sentado naquela cadeira, daí pediu aos seus filhos, formados em quatrocentonas entidades de ensino, para aprisionarem o presidente Macunaíma. Um dos filhos togado perguntou que motivos alegariam para enquadrá-lo. O senhor disse que qualquer motivo é bem vindo. Pode ser a suspeição da vontade (não realizada) de compra de um imóvel, pode ser uma quantia recebida pelo caboclo presidente para dar uma palestra, pode ser o fato de a esposa cabocla ter ido olhar as obras de um imóvel. O Senhor disse a seus filhos togados que fossem perguntar ao dono do império das comunicações que argumentos utilizar.

Um dos filhos lembrou que não saberia instrumentalizar o processo contra o presidente jararaca por não ter lido os livros dos filósofos que seus professores recomendavam. Ele disse que não sabia diferenciar Friedrich Engels, um dos teóricos que formatou o socialismo científico no século XIX, de Friedrich Hegel, um dos expoentes do chamado idealismo alemão. O senhor disse que eles poderiam tirar as duvidas todas que tivessem com aquele ex-presidente que foi professor de sociologia.

As sinhás e senhorios que vão as ruas aos domingos não se conformam em ter perdido mais uma eleição. É que essa gente não suporta a ideia de saber que parte dos impostos que pagam vai para os programas sociais do governo federal. Essa gente não está preocupada com a corrupção, nem com o suprapartidário assalto aos cofres da Petrobras. Tal qual os militares e civis, que deram o golpe de 1964, usam o discurso piegas, pretensamente nacionalista, de salvar a pátria da corrupção para maximizarem seus interesses mais comezinhos.

A “Casa-Grande” se comporta como se estivesse na segunda metade do século XIX participando de organizações contrárias à abolição da escravidão. Elas querem impeachment de Dilma, golpe e intervenção porque tiveram seus privilégios atacados e porque as classes que ficam ao final do alfabeto passaram a ter acesso a coisas como educação superior, moradia e consumo. E isso é inadmissível para quem sempre se alimentou das desigualdades sociais que historicamente tivemos.

Março/2016.


Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers