DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

quarta-feira, 12 de abril de 2017


Reproduzo aqui uma "Carta Aberta" do Deputado Federal, pelo PSOL/RJ, Jean Wyllys endereçada ao ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso. Sugiro que o caro leitor se atenha bem mais ao conteúdo da carta do que as motivações que levaram o deputado a escrevê-la, pois ele trata da real divisão politica, econômica, cultural, religiosa, ideológica que existente no Brasil.

CARTA ABERTA A FHC (PORQUE NÃO POSSO ME CALAR)
Caro Fernando Henrique,


Assisti hoje com surpresa ao vídeo que o senhor gravou recentemente, onde se refere ao "bate-boca entre Jean Wyllys e Bolsonaro" e diz que ele foi consequência da "divisão do Brasil provocada pelo PT". Eu pensei muito se eu deveria responder, porque o senhor teve uma atitude corajosa e generosa comigo recentemente, quando os aliados de Eduardo Cunha tentaram suspender meu mandato e, apesar das diferenças políticas que existem entre nós, o senhor me defendeu publicamente. Eu sou grato por esse gesto, mas não posso me calar diante desse vídeo, até porque meu nome é mencionado nele para sustentar uma análise que eu acho muito injusta.


A retórica da "divisão do Brasil" — muito repetida desde o segundo turno das eleições de 2014 — aparece na América Latina sempre que um governo, mesmo sem questionar as bases do modelo econômico neoliberal, desenvolve políticas mais ou menos intensas de redistribuição da renda e melhora a qualidade de vida dos mais pobres, ou amplia os direitos de diferentes parcelas da população antes excluídas. Quando um governo faz isso, é acusado de "dividir" seu país. Mas a verdade é que nossos países já estavam divididos há séculos!


Sim, o Brasil está dividido. Em primeiro lugar, pela divisão de classes própria do capitalismo, que, em sua versão brasileira, está marcado pela herança escravocrata que nos dividiu — a princípio literalmente e, depois, metaforicamente — em "casa grande e a senzala". Ora, segundo o censo do IBGE de 2010, os 10% mais ricos da população ganharam, naquele ano, 44,5% do total de rendimentos; enquanto os 10% mais pobres receberam menos de 1,1%. Ou seja, quem está na faixa mais pobre precisaria poupar a totalidade de seus recursos durante três anos e três meses para acumular a renda média mensal dos que pertencem à faixa mais rica!


E esses dois "brasis" — o da casa grande e o da senzala — correspondem também a outras divisões igualmente históricas: o país branco e o preto; o do sul-sudeste e o do norte-nordeste; o do asfalto e o da favela; o dos jardins e da periferia; o da empregada doméstica e o da patroa. A geografia de nossas cidades — "cidades partidas", para usar a expressão de Zuenir Ventura em livro nada recente e anterior à chegada do PT ao governo federal — está marcada por uma divisão tão evidente quanto naturalizada. No Rio de Janeiro, por exemplo, essa divisão tem uma expressão horizontal — materializada no túnel Rebouças, que divide a cidade em zonas sul e norte — e outra vertical, em que a favela no morro é uma outra cidade dentro da cidade, com diferentes investimentos e serviços públicos e até leis.


Somos um país profunda e historicamente dividido e ainda vivemos numa "Belíndia", com uma parte pequena da população vivendo como na Bélgica e outra muito maior vivendo como na Índia; mas esta divisão não é uma novidade introduzida pelo PT. Ao contrário, os governos petistas trilharam, apesar de todas as suas deficiências, um lento caminho de "reunificação" que estendeu a cidadania a milhões de pessoas.


O país está dividido também por outras linhas que a direita (por seu conservadorismo) e parte da esquerda (por uma leitura anacrônica do marxismo que secundariza todas as formas de opressão que não sejam a de classe) têm enormes dificuldades de enxergar. Trata-se de uma divisão que não é econômica, mas tem a ver com outras posições de sujeito, como a orientação sexual, a identidade de gênero e a cor da pele, entre outras. E nosso país também está dividido pela ação de aqueles que, ao mesmo tempo que defendem um Estado mínimo no que diz respeito à economia, que permite que as desigualdades de classe se radicalizem, querem também um Estado todo poderoso no que diz respeito aos comportamentos e às crenças, tutelando a cama dos adultos, o útero das mulheres e impondo os dogmas morais de uma religião. Com relação a essa segunda divisão, os governos do PT não ajudaram muito, porque se aliaram com setores fundamentalistas, como a direita também faz.


O Brasil está dividido entre homens e mulheres — estas recebem menores salários; têm menos chances de chegar a posições de poder; sofrem a violência de gênero e têm seus direitos sexuais e reprodutivos negados. Está dividido entre heterossexuais e "dissidentes sexuais" (LGBTs) — estes últimos têm inúmeros direitos civis negados; são alvo de discursos de ódio por parte de políticos e pastores fundamentalistas; sofrem violência e bullying desde crianças e são espancados e mortos a cada dia em crimes motivados por ódio. Está dividido entre cristãos e adeptos de religiões minoritárias (incluindo as de matriz africana) e ateus — os dois últimos grupos sofrem as consequências da crescente eliminação da laicidade do Estado, que pretende impor uma religião oficial e um código moral dogmáticos que resulta da leitura fundamentalista do texto bíblico. Está dividido entre brancos e não-brancos desde a época da escravidão. E por aí vai...


Para reduzir essas desigualdades, precisamos ultrapassar os limites impostos pelos governos aliados à elite econômica e financeira; às corporações comerciais e aos partidos políticos fisiologistas e fundamentalistas religiosos, que asseguram a famigerada "governabilidade", hoje como nos governos anteriores. Por isso, a crítica que nós que nos colocamos à esquerda do PT fizemos a esses governos foi exatamente a oposta ao discurso do seu partido e de boa parte da mídia: a conciliação entre os dois brasis não vai nascer do retrocesso na justiça social, nem da privatização de estatais em favor dos lucros do livre mercado (em especial, do livre mercado financeiro), que assegura privilégios a uma casta; a conciliação entre os dois brasis vai nascer justamente da combinação de desenvolvimento econômico sustentável com a extensão da cidadania que fez nascer — e tanto irrita — o antipetismo.


Precisamos unir o Brasil, sim. Mas essa união só será possível quando acabarmos com as fronteiras que produzem exclusão e privilégio. Se de algo o PT é culpado não é de ter dividido o país, mas de ter feito muito menos do que muitos de nós esperávamos para uni-lo. E o governo Temer está destruindo o muito ou pouco que foi feito!


Por último, apenas um esclarecimento. Não houve bate-boca nenhum no dia da votação do impeachment. Houve um deputado que homenageou um torturador que enfiava ratos na vagina das mulheres, e esse mesmo deputado, quando eu fui proferir meu voto, começou a me insultar, a me chamar de veado, queima rosca e outras expressões chulas e ofensivas. Não é a primeira vez que ele insulta, agride e ameaça colegas e jornalistas. E dessa vez, pela primeira vez, eu reagi, no calor do momento, depois de ter sofrido seis anos de assédio moral, insultos, calúnias e ameaças. O senhor não pode me julgar por uma violência que não sofreu.


Atenciosamente,
Jean Wyllys


Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers