DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

POLÍTICOS GUERREIROS NA CÚPULA DO TROVÃO

Eu não sei se por falta de coisa melhor para fazer ou se porque, no fundo, eu gosto mesmo é de uma boa contenda politica, mas o fato é que acompanhei, no domingo passado, a eleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa para o Biênio 2015/2016. O processo foi tão violento que em certo momento lembrei o filme “Mad Max, Além da Cúpula do Trovão” (1986) estrelado pelo sofrível Mel Gibson, em que pese Tina Turner, que faz uma sensual vilã, pagar o ingresso, a pipoca e a fragilidade do roteiro. A história se passa em “Bartertown”, uma cidade perdida num deserto qualquer, onde o que vale é a lei do mais forte e algumas regras mortais.  “Bartertown” é governada pela vilã, encenada por Tina Turner, que luta para concentrar o poder em suas mãos.

É aí que entra Max, personagem de Mel Gibson, que desafia o poder da governante ao se recusar a cumprir algumas dessas normas. Como punição, Max é enviado à Cúpula do Trovão onde deve travar uma luta de vida e morte contra outro homem. Na Cúpula do Trovão a regra é: dois homens entram, um homem sai. Ou seja, para viver é preciso matar. O comportamento corrosivo de alguns deputados estaduais, no domingo passado, fez a Assembleia Legislativa parecer com a Cúpula do Trovão de Mad Max. O legislativo estadual se tornou uma “Bartertown” sobrevivendo à custa de poucas regras. Na verdade, nessa “Bartertown” pouco republicana a única regra que se segue, que se respeita, é a que diz que toda e qualquer norma poderá, e será, descumprida.

Os deputados estaduais, que elegemos em outubro, mais pareciam os guerreiros selvagens que o caro ouvinte pode ver ao assistir “Mad Max, além da Cúpula do Trovão”. Eles encenaram um show violento de horrores baseados numa mentalidade autoritária. Foram socos, pontapés, palavrões, agressões de toda sorte. O deputado Jeová Campos (PSB) esmurrou a tal mesa, alvo da contenda, após ver rejeitado um requerimento seu. Não satisfeito desferiu um tapa em um dos seguranças que tentava conte-lo.

O deputado Tião Gomes (PSL) arrancou os fios da urna eletrônica que seria usada na eleição afirmando que o sistema não era confiável. Detalhe: a urna e o sistema, que o deputado dizia não confiar, são os mesmos usados no pleito que o tornou parlamentar. Deputado Tião afirmou que a “Assembleia nunca teve uma votação com urna eletrônica e que ninguém conhece esse sistema que queriam usar”. Será que não Deputado? Se fosse assim ainda hoje estaríamos usando as velhas cédulas de papel para votar. Aliás, havia um pesado clima de desconfiança entre os deputados. Todo parlamentar era a sombra de cada um. É que a disposição para a traição era real. Chegou a ser risível os deputados não quererem votar em qualquer tipo de equipamento eletrônico.

Foi pitoresco ver os deputados não usarem um mísero lápis para expressar seus votos. A solução encontrada foi ridícula. Utilizou-se duas urnas. Numa se coloca a cédula com os nomes que se queria votar e na outra a cédula com os nomes que se queria rejeitar. O comportamento dos deputados foi patético, reprovável. O Pior é que ninguém lembra que eles partiram para o vale tudo eleitoral, apelando para a força física, logo após a sessão solene que legalizou a legítima representatividade conquistada nas urnas. Numa sessão juraram respeitar as normas consagradas em nossa Constituição. Na sessão seguinte escarraram sobre a Constituição e sobre a instituição que representam. Comportaram-se como se vivessem numa “Bartertown” desértica.

No domingo dois guerreiros, digo dois políticos, entraram na Cúpula do Trovão, digo no plenário da Assembleia, dispostos a tudo, tudo mesmo, para alcançar o símbolo máximo de expressão do poder que naquele momento era a presidência do Legislativo. Os deputados Adriano Galdino (PSB), que terminou sendo eleito, e Ricardo Marcelo (PEN), que tentava ser reconduzido à presidência da Assembleia, deixaram claro, por gestos e atitudes, que a luta travada foi sanguinolenta e os levou ao esgotamento. Publicado o resultado da contenda, Ricardo Marcelo, derrotado pelo placar de 19 a 17 votos, baixou a cabeça, e a guarda, e se retirou silenciosamente do plenário. É que ele não contava com as astúcias alheias, por se achar o mais sagaz dos deputados.

Adriano Galdino, governista até a medula, afirmou que: “Foi um processo doloroso, complicado”. Sim, foi mesmo. Vejam que esta foi a primeira frase que ele dirigiu a imprensa após saber que havia ganhado. Eu esperava algo mais alegre, mais efusivo. Claro, os vitoriosos comemoraram e os derrotados passaram a praticar o sagrado jus sperniandi. Mas, a impressão que tive é que ninguém estava satisfeito. Pudera, depois de se violentarem daquela forma, quem poderia estar feliz? Neste processo perdemos todos. Perderam principalmente os deputados estaduais que iniciaram seus mandatos sem fazer por merecer qualquer tipo de respeito por terem se comportado como um bando de selvagens vindos de “Bartertown”.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers