DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

A DESCOLORAÇÃO DA POLÍTICA.





 





O tema do POLITICANDO de hoje é fruto de um fenômeno político-social que cada vez mais chama a atenção dos estudiosos e que o sociólogo francês Pierre Bourdieu chamou de a “descoloração da política”. Bourdieu se referia a um fenômeno mundial que nos leva a priorizar cada vez mais os temas relacionados ao comportamento humano e às celebridades do mundo do entretenimento.  Esse fenômeno nos afastaria das coisas do mundo da política.




A descoloração da politica se dá na medida em que nos preocupamos mais com o comportamento e a vida particular dos políticos do que com as ações que eles realizam na vida pública. Bourdieu afirmava que cada centímetro dado, pela imprensa, para tratar da vida particular dos políticos causa um esvaziamento da política e uma completa inversão da função inicial da imprensa.




Mas, Bourdieu não refletiu em cima de nossa realidade política. Bourdieu não deve ter tido conhecimento que políticos de um país chamado Brasil não fazem a mínima distinção entre suas vidas privadas e suas carreiras políticas. A vida particular dos nossos governantes e representantes não deveria mesmo ser de nossa conta. Não deveríamos querer saber de nada que não fosse relacionado às atividades por eles desenvolvidas no mundo da política.




De que importaria saber que aquele influente político, que ocupa um importante cargo em Brasília, coleciona amantes assim como junta gravatas? De que importa saber que aquele prefeito teve ou tem um caso amoroso com uma mulher influente da sociedade? Não, não importa. Isso não deve ser da conta de ninguém. Não cabe a mim, por exemplo, especular sobre excentricidades, obsessões e hábitos pouco ortodoxos que alguns políticos praticam em suas vidas particulares.




Mas, o fato é que a vida pessoal dos políticos termina por interessar na medida em que eles mesmos não sabem separar as coisas pessoais das coisas da res pública, ou seja, as coisas da vida pública, republicana. O político que consegue fazer uma clara divisão entre estes dois mundos pode, por exemplo, ter uma vida social ativa sem que especulações de toda sorte venham a atrapalhar sua atuação política.






Esse parece ser o caso do senador mineiro Aécio Neves que leva uma vida social das mais agitadas, sempre acompanhados de belas mulheres, mas isso não faz com que sua atuação política seja afetada, pelo menos na aparência. Na medida em que o político consegue separar bem as coisas de sua vida privada das coisas de sua vida pública ele está se protegendo. Uma ótima forma de evitar especulações é fazendo as coisas sempre às claras.




Um político pode ter uma ou mais amantes? Sim, pode. O que ele não pode é nomear sua amante para que ela ocupe um cargo público. O que não é admissível é o Estado financiar as aventuras amorosas de seus dirigentes. Vejam o caso de Rosemary Noronha, a namoradinha de Lula, que foi nomeada para gerenciar o escritório do governo federal em São Paulo. Rose se apresentava como a namorada de Lula para praticar tráfego de influência dentre outras coisas.




Neste caso não existem duas vidas, uma privada e outra pública, existe uma única vida onde interesses políticos e as coisas da alcova se encontram em um único patamar. Aqui o privado perpassa o público e vice-versa. Vejamos aqui, em Campina Grande, como se estabelece a confusão entre público e privado. No fatídico dia das convenções partidárias, enquanto a cidade esperava que se homologassem as candidaturas que disputariam a prefeitura, a confusão era enorme.




É que para que as principais candidaturas fossem homologadas tinha que haver um processo de discussão familiar por assim dizer. Havia arestas particulares que precisavam ser aparadas para que só então se definissem nomes. É como se houvessem duas convenções. Uma particular, familiar, e outra pública. Sendo que a primeira seleciona os nomes que vão ser aclamados na segunda. O jornalista Arimatéa Souza chama isso de as transversalidades dos acontecimentos políticos.





Mas, e a pergunta sobre em que medida a vida privada de um político não deve ser alvo de especulações? Na medida em que ele não confunde as coisas e não traz para seu gabinete, onde despacha atos públicos, as relações que mantém em sua vida particular. A política brasileira sofre um processo de descoloração não apenas pela relação que temos com ela, mas por causa do comportamento pouco republicano que tantos políticos reproduzem.





Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers