quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Ideologia, você tem uma para viver?










Em recente entrevista, concedida ao jornalista Arimatéa Souza aqui mesmo na Campina FM, o vereador Ivan Batista do PMDB foi bastante revelador em relação a como anda a visão dos políticos em relação à atuação deles no legislativo. Quando perguntado se ele vai integrar a bancada de oposição ao prefeito Romero Rodrigues, e qual deveria ser a postura desta bancada que, diga-se de passagem, vem encolhendo em proporções microscópicas, Ivan Batista foi certeiro.





Disse ele que: “Eu peço que você lembre que em 20 anos que estive na Câmara eu não sei o que é estar na oposição (...) o vereador não tem que fazer oposição”. E para ser enfático, Ivan disse que: “Nunca tive perfil de oposição, nem de situação ou de subserviência”. Que o vereador não saiba o que é fazer oposição se entende na medida em que é próprio do instinto de sobrevivência dos políticos estar ao lado da situação. Mas, daí achar que um vereador não deve fazer oposição já é algo mais complexo.




Num estranho exercício para explicar seu posicionamento, Ivan Batista disse que se o parlamentar estiver na Assembleia Legislativa, onde os deputados são de diversas cidades e segmentos diferentes, até pode ter uma postura de oposição. Mas, se ele estiver na Câmara Municipal, onde “só tem colegas irmanado em prol da cidade”, então ele não deve ser de oposição. Eu confesso que não entendi. Os vereadores são todos iguais? Representam os mesmos interesses e segmentos? O vereador Pimentel Filho, também do PMDB, disse que é preciso dar uns meses de crédito ao novo gestor e que “além de estar em um partido você tem um dever com a cidade, então, não posso simplesmente ser contra ou a favor de alguém”.





A primeira vista, os vereadores dão a entender que ficarão neutros. É como se eles quisesses dizer quem não são contra e nem a favor, muito menos pelo contrário. Mas, vamos analisar bem essa questão, ela não é tão simples como aparenta. As frases dos dois vereadores revelam algo que já deixou de ser mera exceção na política brasileira. A afirmação demonstra o que hoje é uma regra. É o que chamo do efeito Kassabista. Eu explico.





No ato em que anunciou que estava criando uma nova sigla partidária, o ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, disse (SIC) que o Partido Social Democrático (PSD) "não seria de direita, não seria de esquerda, nem de centro". Kassab disse, também, que o PSD seria dotado de "um programa a favor do Brasil".  Ainda bem que Kassab quer que seja assim, imagine se ele quisesse que seu partido tivesse um programa contra o Brasil.





Se um partido não é de direita, de esquerda ou mesmo de centro, então ele é o quê? Para que um ajuntamento político possa ser chamado de partido ele tem que ter um conjunto de ideias que lhe dê identidade política. Como a definição atesta ele é partido, não é inteiro. Esse ajuntamento é parte de um todo, e só pode ser parte porque tem coisas que a diferenciam do todo. Quando o partido diz não que não tem uma postura definida, é a mesma coisa de dizer que não existe.





Dizer que não é azul, nem vermelho, que não é açúcar, nem sal, dizer que não é de direita e nem de esquerda é o eufemismo encontrado para não se assumir posturas. Em prol dos interesses é mais cômodo o movimento pendular do que se postar em um lugar definido. O eufemismo é uma retórica, uma figura de linguagem, que consiste na substituição de um termo ou expressão rude, que pode chocar ou que é inconveniente, por outro que seja suave ou agradável.



 



Assim, ao invés de um político como Kassab assumir que é fisiológico, ele diz que seu partido não é direita, nem de esquerda, nem de centro.  Para não ter que dizer que seu partido não tem programa político, até porque não precisa de um, o cacique racionaliza. É por isso que Kassab disse que o PSD tem um programa a favor do Brasil. Quer coisa mais agradável de se ouvir? O fato é que nunca antes na história desse país, um político foi tão explícito a respeito do caráter fisiológico de seu partido. O deputado federal, e ex-goleiro do Grêmio, Danrlei de Deus (que, não por acaso, é do PSD de Kassab) disse que as pessoas do seu partido “têm opiniões e tem liberdade” e que em votações eles não são nem de esquerda, nem de direita.





O fato é que cada vez mais os políticos disfarçam menos os reais interesses que trazem para seus partidos. Cada vez mais ter uma posição político-ideológica pode vir a atrapalhar a atuação do ator político. Cada vez que você ouvir um político dizer que não é isso ou aquilo, muito menos pelo contrário, saiba que ele está querendo dizer que age movido única e exclusivamente por seus interesses pessoais.






Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES
Este é o "museu de grandes novidades" do qual nos falava Cazuza. Ante-sala do gabinete do Reitor da Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande.

Siga-me por Email

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers

Marcadores