quarta-feira, 26 de setembro de 2012

AFINAL, PORQUE VOCÊ REJEITA UM CANDIDATO?






Eu já disse, aqui mesmo no POLITICANDO, que a rejeição que os eleitores dispensam aos candidatos é um importante aspecto nas análises das possibilidades eleitorais de nossos prefeitáveis. Eu já disse, também, que é mais fácil convencer o eleitor a mudar de voto, ou não votar branco ou nulo, do que convencê-lo a votar em um candidato que ele dispensa algum tipo de rejeição.




Em política eleitoral rejeição tem haver com confiança, com crenças, com capacidade intelectual e experiência política. Enfim, rejeição é algo associado a valores e questões subjetivas. Os candidatos gostam de generalidades. Sobre a rejeição, eles têm a justificativa na ponta da língua. Quando aparecem com rejeição alta dizem que isso acontece por que os eleitores não os conhecem bem. Dizem que a rejeição está alta porque a campanha ainda não começou. E tem candidato, adepto das teorias conspiratórias, que diz que sua alta rejeição é orquestrada pela imprensa e por seus adversários.




Mas, nada disso se sustenta quando analisamos os dados da rejeição condicional da pesquisa CAMPINA FM/GRUPO 6SIGMA. O que se percebe é que não basta conhecer o candidato para não mais rejeitá-lo.




O primeiro motivo para que o eleitor rejeite o candidato é a alegação de não conhece-lo. Assim, Alexandre Almeida tinha 62.5% em Julho, quando ainda não havia guia eleitoral, e agora tem 62.2%. Arthur Bolinha tinha 63.9% e agora tem 75.8%. Sizenando tinha 70.5% e agora tem 51.8%. O guia eleitoral está no ar e mesmo com a exposição estes candidatos continuam sendo rejeitados por não serem conhecidos.




Cai, assim, o mito alegado pelos candidatos da rejeição pelo desconhecimento. O eleitor que opta por esse motivo pode ter outras justificativas, mas por questões internas prefere não revela-las.




Quando a motivação para a rejeição é o fato de o eleitor considerar o candidato antipático vemos que algumas campanhas foram bem sucedidas na desconstrução de uma imagem negativa e outras nem tanto. Em julho 38.3% consideravam Romero antipático, em setembro essa percepção caiu para 26.5%. O mesmo acontece com Arthur. Em julho 16.7% o tinham como antipático, agora apenas 3.0% pensam assim.




Os dois conseguiram mudar a percepção de parte do eleitorado e isso se reflete no crescimento que tiveram na pesquisa estimulada, em que pese Romero ainda ter uma rejeição alta na motivação antipatia. Embutida nesta rejeição está a opinião dos que são contra a ascendência do senador Cássio Cunha Lima sobre a candidatura de Romero Rodrigues, em que pese Cássio transferir mais votos do que retirar.




Alexandre, Guilherme e Sizenando eram, e são tidos, como antipáticos por alguma coisa em torno de 15%. Como a variação foi pequena, entende-se que existe uma opinião cristalizada sobre estes candidatos neste quesito.




Daniella Ribeiro tinha um índice de rejeição motivada pela antipatia de 55.4% em julho, caindo para 46.9% em setembro. Tatiana Medeiros tinha 34.2% em julho e permanece com 34.7% em setembro. Tatiana variou apenas 0.5%. A exposição que só uma campanha propicia não só não ajudou a diminuir a rejeição como parece ter contribuído para que ela se cristalizasse.




O caso de Daniella é mais complicado. Ela tinha, ainda tem, alto índice de rejeição motivada pela antipatia. A campanha desfez pouco tal percepção e isso influencia sua queda do 2º para o 3º lugar na pesquisa estimulada.




E vejam a eficiência, negativa, da exposição a que são submetidos os candidatos para reafirmar ou aumentar a rejeição motivada pelo despreparado. Arthur tinha 13.9%, agora tem 21.2%. Guilherme tinha 15.8%, agora foi para 29.6%. Sizenando tinha 18.8% e chegou a 31.8%. Tatiana diminuiu sua rejeição devido ao despreparo. Em julho era de 38.4%, agora é de 25.5%. A participação em alguns debates e o guia eleitoral contribuíram para isso. A presença de Veneziano, também.




Assim como na antipatia, Daniella teve seu índice de despreparo congelado. Era 25.0%, agora está em 24.5%. Pior do que a variação, que dá a ideia de movimento, é a estagnação. É a ideia de que por mais que se faça não se obtém os efeitos desejados.




Eu já vi candidatos dizerem que não entendem porque caem nas pesquisas estimuladas. Eu sugiro que eles olhem com bem mais atenção para os números da rejeição condicional, pois eles querem dizer alguma coisa.




GilBlog - Arquivo

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES
Este é o "museu de grandes novidades" do qual nos falava Cazuza. Ante-sala do gabinete do Reitor da Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande.

Siga-me por Email

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers

Marcadores