DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

OS CANDIDATOS E AS DROGAS.








Na série de entrevistas sobre políticas públicas para o enfrentamento a drogadição com os sete candidatos a prefeito de nossa cidade eu vi um show de obviedades. O objetivo era saber quais são as propostas dos candidatos no sentido de promover políticas públicas contra as drogas. Parece-me que vamos continuar sem saber.



Eu comparei as declarações que os candidatos deram na série sobre segurança pública com as que foram dadas nesta série sobre o enfrentamento a drogadição. O caro ouvinte quer saber o que conclui? Ou melhor, quer saber qual a nítida impressão que tive ao comparar as duas séries? Cada candidato parece ter um único texto sobre os dois temas. É como se eles tivessem colado, mudando algumas coisas.



Todos fazem questão, cada um a seu modo, de afirmarem que a segurança pública e a questão das drogas não estão no âmbito de competência do governo municipal.  Dos sete candidatos, cinco iniciaram suas entrevistas fazendo essa afirmação. É sempre o mesmo discurso. Eles começam dizendo que a questão não é responsabilidade do poder público municipal.



É como se eles quisessem dizer: “no futuro, se eu for eleito, não me cobrem por uma coisa que eu não tenho obrigação legal de lidar”. Mas, para não passarem a impressão de descaso para com questões que afetam a sociedade, eles citam políticas públicas como propostas.



E é aí é que eles demonstram não estarem preparados para enfrentar a questão das drogas. Eles reproduzem pontos do discurso sobre a segurança pública na tentativa de dizerem como vão lidar com as drogas.



Dos sete candidatos, quatro disseram que vão dotar as escolas públicas com monitoramento eletrônico para combater o tráfico de drogas, da mesma forma que disseram que é assim que combaterão a violência.



Disseram que a Guarda Municipal vai atuar no combate às drogas. Aí é o de sempre. “Vamos aumentar o efetivo de guardas”; “a guarda vai atuar junto à polícia”; “vamos criar mais uma guarda”; vamos isso, vamos aquilo.







É não tem jeito. Virou moda. Nesta eleição, os candidatos não param de propor a criação de todo tipo de guarda. Propuseram a criação de uma guarda comunitária e a criação de uma guarda anjos da escola.



É impressionante, mas ninguém traz um estudo sério demonstrando que câmeras nas escolas ou guarda municipal diminuem os índices de jovens viciados em drogas. Ninguém traz uma proposta relevante.



E tem a mãe de todas as propostas. Aquela que os candidatos elegem como a que é imbatível, que não pode ser questionada. É a proposta, ou promessa, que está acima do bem e do mal. Os sete candidatos enfatizaram a criação, para os de oposição, e a ampliação, para os de situação, das chamadas escolas de tempo integral. Existe uma espécie de ideia-força entre eles nesta proposta.



Quanto mais tempo a criança e o jovem ficarem na escola, menos serão expostos as drogas, a violência e criminalidade. Por essa lógica, a escola seria uma espécie de bolha onde crianças e jovens ficariam protegidos. Se essa ideia-força é correta, se a escola de tempo integral é realmente eficiente para manter nossos filhos longe das drogas, eu sugiro que eles fiquem nelas em regime de internato.



Claro, os candidatos dizem que vão construir mais praças, locais de lazer e vilas olímpicas. É que eles acreditam que basta colocar um equipamento desses num certo lugar para fazer com que as drogas se evaporem. Meu caro Arquimedes eu vou lhe parafrasear: “data máxima vênia e, com o devido respeito, vocês, caros candidatos, não entendem nada do assunto”.





GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers