DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Marco Feliciano e o obscurantismo medieval.





O pastor e deputado federal Marco Feliciano é um incansável quando se trata de dar declarações polêmicas. Ele é daqueles que não consegue se calar, ou mesmo medir as palavras, diante de situações em que é confrontado ou questionado. Marco Feliciano pertence ao Partido Social Cristão que abriga grande quantidade de pastores evangélicos que buscam, na política, viabilizar interesses religiosos. O PSC havia migrado para a base de apoio do governo federal.




Em reconhecimento ao gesto, e atendendo aos pedidos do pastor/ministro Marcelo Crivella, a presidente Dilma Rousseff articulou a indicação de Marco Feliciano para presidir a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Alguns ouvintes, que acompanham diariamente o POLITICANDO, me perguntaram por que tanta confusão para presidir uma comissão que nem é tão importante assim se comparada, por exemplo, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania.




É que é na Comissão de Direitos Humanos e Minorias que temas importantes para as religiões cristãs, e a própria sociedade, são tratados a exemplo da criminalização da homofobia, da regulamentação da prostituição e dos direitos civis para casais do mesmo sexo. Essa confusão se deu porque o governo federal não mede esforços quando se trata de aumentar sua base aliada. Desculpem-me o trocadilho, mas não importa se a raposa vai tomar conta do galinheiro, importa é ter maioria na Câmara dos Deputados.




A bancada evangélica na Câmara Federal se uniu em torno do propósito de comandar uma Comissão que, por definição, atende a muitos de seus interesses. Marco Feliciano foi ungido ao cargo por ser o mais obscuro e midiático dos pastores/deputados. É bom não esquecer que esta Comissão esteve sempre nas mãos dos partidos de esquerda desde que foi criada em 1998. O PC do B a comandou uma vez, o PDT esteve a sua frente três vezes e o PT a presidiu por dez vezes consecutivas.




Percebam a gravidade da situação. Dilma tirou a presidência da Comissão que trata dos crimes de tortura e morte, cometidos na ditadura militar, das mãos da esquerda e a entregou para aqueles que acham que essas coisas não devem ser discutidas. Fosse Marco Feliciano mais discreto em seus posicionamentos nada disso estaria acontecendo. O fato é que ele é um histórico ativista em defesa de causas racistas e homofóbicas, além de ser contra a afirmação dos direitos civis das chamadas minorias.




Se Feliciano não tivesse dito que os negros são “descendentes amaldiçoados de Noé” e que a “podridão dos sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio e ao crime”, a Comissão funcionaria normalmente e ele a estaria presidindo com suas ideias medievais. Mas, Feliciano não se contém. Mesmo com os protestos contra sua permanência na presidência da Comissão e com as articulações políticas para tirá-lo do cargo, ele pronunciou mais uma de suas frases obscuras. Chegando para participar de um culto evangélico em Passos, sul de Minas Gerais, Feliciano afirmou que a Comissão de Direitos Humanos era “dominada por Satanás antes de sua chegada ao posto”. Pronto, mais protestos. Mais confusões.





Das duas uma. Ou Feliciano sofre de uma doença mórbida que o força a ser sempre sincero. Ou ele é acometido de um tipo raro de flatulência verbal que o faz tornar público aquilo que só deveria ser dito em recintos fechados e para poucas pessoas. Na verdade, Feliciano não passa de um ator que representa bem a farsa que lhe deram. Ele é o bufão, o bobo da corte, que ao encenar esse papel grotesco e obscuro serve a vários propósitos. Aliás, alguém está perdendo com toda essa confusão?

  


Renan Calheiros esbanja um sorriso vitorioso cada vez que Feliciano e seus adversários se engalfinham pelos corredores da Câmara dos Deputados. Ninguém mais pede a sua renúncia. Todos esqueceram que Renan, e Satanás, continuam onde sempre estiveram. Os pastores/políticos evangélicos ganham com esse embate, pois conseguiram se mostrar unidos numa ação coordenada para alcançar um objetivo específico. Eles falavam em nome de suas Igrejas, agora falam em nome de uma força única.




Vejam que os evangélicos tem todo interesse em, por exemplo, que a Comissão de Direitos Humanos não criminalize a homofobia. Até porque, se isso acontecer, vai ser preciso criar um presídio para abrigar todos os que manifestam suas fobias sociais. Ganham os manifestantes que se dizem a favor dos direitos humanos, pois estam tendo seus 15 minutos de glória midiática. Claro, eles são tão autoritários quanto os pastores do PSC. Vejam a forma violenta como agem. Na verdade, quem perde com tudo isso são os que recusam esse obscurantismo antidemocrático. Quem perde são os que sabem que Marco Feliciano não é a exceção e sim a regra neste país medievalizado.



Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA? Ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com




Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers