quinta-feira, 11 de abril de 2013

Você sabe o que é uma Organização Social?





                               
No dia 04 de abril a Câmara Municipal de Campina Grande aprovou projeto de lei 084/2013 de iniciativa do governo municipal. Trata-se do chamado “Regime de Gestão Pactuada com Organizações Sociais”. Esse modelo não é novo, vem sendo praticado a muito tempo em outros países e aqui mesmo no Brasil. Sua principal característica é permitir que os governos deixem a cargo de instituições não governamentais a gestão de setores públicos.





Através da gestão pactuada (aquela que é acordada, contratada, ajustada) o governo pode, por exemplo, entregar a administração de um hospital, de um presídio ou de uma escola para uma organização social que, claro, não pode ser governamental. Esse modelo de gestão permite que os governos deixem de cumprir ou de prestar serviços públicos essenciais como educação e saúde. Ele autoriza que o gestor público contrate as tais organizações sociais sem, por exemplo, realizar licitações. Licitar é literalmente o ato de levar a leilão um serviço público. Só que neste caso ganha quem paga menos e não quem paga mais como nos leilões particulares onde se vendem obras de arte ou objetos valiosos.






E esse é um dos aspectos que faz com que o regime de gestão pactuada receba criticas. Já se disse que ele fere cláusulas pétreas de nosso ordenamento jurídico por poupar o governo de prestar serviços essenciais. Também se diz que a gestão pactuada impede que o governo utilize mecanismos de proteção impostos pela Constituição, como a própria licitação e como o controle realizado pelos Tribunais de Contas.





A gestão pactuada entre governos e organizações sociais traz algumas facilidades, digamos assim. Ela pode, por exemplo, eliminar a exigência do concurso público para admissão de pessoal ou a necessidade de regras para a alienação de bens públicos. O fato é que a Lei 084/2013 dá ao prefeito Romero Rodrigues amplos poderes. Uma vez implantada a gestão pactuada dos serviços públicos, com alguns segmentos da iniciativa privada, ele pode tomar uma série de decisões sem consultar quem quer que seja.





Os defensores da gestão pactuada afirmam que ela é necessária já que a máquina estatal não mais consegue dar respostas a todas às demandas vindas da sociedade. Eles rejeitam a tese de que ela é um grande cheque em branco que se dá ao governo. Os governistas em Campina Grande afirmam que uma vez pactuada a gestão não se deixa de fiscalizar a forma como as organizações sociais conduzem os serviços, pelos quais foram contratadas, e como tratam os recursos públicos que recebem.





O fato que não se pode negar é que o pomposo nome de “Regime de Gestão Pactuada com Organizações Sociais” pode simplesmente ser substituído pelo velho e bom termo “terceirização”. O governo municipal poderá terceirizar serviços de Educação, Cultura, Urbanismo, Habitação, Saneamento, Gestão Ambiental, Ciência e Tecnologia, Agricultura, Indústria e Comércio, Comunicações e Transportes, Previdência, etc.





Quando se fala em terceirização é inevitável tratar da questão do trabalho e de como se lidar com o servidor público. No Capítulo V, da Lei 084, se trata “Do Servidor Público na Organização Social”. É quando se vê algo que pode vir a ser tornar um grande problema. No artigo 23 se diz que a prefeitura municipal poderá colocar seus funcionários à disposição da Organização Social, desde que eles estejam, claro, vinculados ao serviço que deixará de ser feito pelo poder público para ser realizado pela Organização Social. A questão é que se a prefeitura dispõe dos funcionários e até da estrutura para prestar determinado serviço à população, porque vai preferir que uma empresa privada o faça? Isso não seria uma clara privatização dos serviços públicos?


 



Na mensagem que encaminhou o Projeto de Lei à Câmara dos Vereadores, Romero Rodrigues defende que “a organização social está ligada ao processo social, à ideia de mudança, de arranjo do comportamento dos indivíduos na construção da vida social”. Ele afirma que organizações sociais são usadas para suavizar a questão da saúde, que é um grande problema da gestão pública brasileira, e que Campina não pode ficar ilhada com um modelo que vem, comprovadamente, causando grandes dissabores ao povo.





É claro que a orientação ideológica desse projeto é liberal. Tivéssemos um prefeito comunista e a Câmara Municipal teria votado um projeto de lei para aumentar a presença do Estado na sociedade através dos serviços prestados. O fato é que o projeto virou lei, aprovado por ampla maioria dos representantes. Agora não mais se trata de ser contra ou a favor a sua implantação. Trata-se do cidadão/eleitor ficar atento ao funcionamento dos serviços que essas organizações sociais vão prestar e, claro, se manifestar caso não sejam de boa qualidade.



Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com


Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES
Este é o "museu de grandes novidades" do qual nos falava Cazuza. Ante-sala do gabinete do Reitor da Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande.

Siga-me por Email

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers

Marcadores