DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

QUEM VENCEU O DEBATE? PARTE I.

Sempre que temos um debate, no rádio ou na TV, algumas pessoas me perguntam sobre quem teria vencido o debate. Nos EUA, os institutos de pesquisa fazem aferições, no minuto seguinte ao fim do debate, entre candidatos a presidente. Na verdade, os americanos entendem que “venceu o debate” aquele candidato que se saiu melhor na hora de responder as perguntas mais complexas, mais cavilosas. Nos EUA, vence o debate o candidato mais calmo, mais seguro, mais ponderado. Para os norte-americanos tem desempenho, digno de elogio, aquele candidato que não gagueja, que não vacila, quando tem que responder sobre questões polêmicas como pena de morte, aborto, racismo, uso das células tronco, etc.

Aqui no Brasil, nem existe muito essa ideia de um candidato vencendo o debate. Na verdade, o eleitor gosta de assistir ao debate, entre candidatos a governador ou a presidente, para torcer e vibrar como se estivesse assistindo a um jogo de futebol. Ao contrário do que muitos podem pensar, os debates no Brasil quase não servem para que o eleitor indeciso tire suas conclusões e, finalmente, decida em quem votar. A maior parte das audiências é composta pelos que já estam bem decididos. A assistência de um debate é formada pelos eleitores, apoiadores e militantes dos candidatos envolvidos. Basta ver que as pessoas ficam assistindo ao debate e postando mensagens nas redes sociais, onde vibram com as boas respostas de seus candidatos.

Elas aproveitam, claro, para falar das gafes, absurdos e de qualquer erro que possa cometer aquele adversário por quem se nutre a mãe de todas as iras. No Brasil, o debate serve bem mais para motivar a militância do que para dirimir dúvidas. Ontem, tivemos, aqui na CAMPINA FM, o debate entre os candidatos ao governo do Estado da Paraíba. Os seis candidatos estiveram presentes e garantiram um debate acirrado, como tinha que ser, apesar de que eles não surpreenderam em nada. O debate foi realizado em três blocos. Nos dois primeiros, os candidatos fizeram perguntas entre si. Já no último bloco tivemos dois direitos de resposta, concedidos a Tárcio Teixeira e Ricardo Coutinho, e aquelas famosas considerações finais.


Aliás, os candidatos estam com uma mania muito chata de usarem aqueles minutinhos finais como se fosse uma colagem de trechos do guia eleitoral. É um tal de falar o nome e o número do candidato, do seu vice e do seu senador. Ao invés de utilizarem aquele tempinho final para explicarem mais e melhor pontos que não puderam ser aprofundados ou para fazerem os últimos ataques aos adversários, eles ficam, ali, repetindo nomes e números. É uma chatice só. O debate foi bom, mas, ao final, ficou aquele gostinho de quero mais. É que quando os candidatos começaram a ficar mais impacientes e, portanto, mais dispostos a partirem para ao enfrentamento de palavras e ideias, acabou o tempo.

Os candidatos não me surpreenderam. Na verdade, só havia duas estratégias bem definidas no debate. Uma era a de Cássio Cunha Lima e Ricardo Coutinho que se enfrentam, abusando das acusações mútuas, por estarem à frente das pesquisas. A outra foi adotada por Vital Fº, Major Fabio, Tarcio Teixeira e Antônio Radical. Cada um, a seu modo, usou bastante tempo para atacar e criticar as duas candidaturas mais forte. A ideia era mostra-las mais como semelhantes do que como diferentes. Os candidatos sem maiores pretensões eleitorais se esmeraram em mostrar que Cássio e Ricardo se atacam por conveniência política, já que eram aliados até pouco tempo atrás. Aliás, este tem sido o calcanhar de Aquiles de Cássio e Ricardo, pois precisam ficar dando explicações sobre essa questão todo o tempo nas entrevistas e debates.

Vital Filho até tentou se colocar no grupo dos que não foram convidados para a “festa da democracia”, mas Major Fábio, Tárcio e Radical preferiram que o senador do PMDB ficasse no grupo dos que “sempre estiveram no poder e nunca fizeram nada para mudar a realidade política, social e econômica do Estado da Paraíba”. Como o debate se deu no esquema de candidato fazendo pergunta a candidato até deu para fugir da bipolarização entre Cássio e Ricardo, pois os outros quatro fizeram perguntas entre si. Parecia até que tinham combinado. Ricardo e Cássio optaram pela estratégia de baterem um no outro pela via indireta. Um exemplo? Ricardo perguntava a um dos quatro e pedia para que comentassem aspectos do governo de Cássio e vice versa.

A ideia de Ricardo e Cássio era amolar a faca e entrega-la para que um dos quatro candidatos usassem a seu bel prazer. Mas, eles foram inteligentes e não se deixaram levar por essa tática, pois atacavam os dois indistintamente. Neste aspecto, Tárcio Teixeira se saiu melhor, pois criticava tanto Cássio como Ricardo, mostrando como eles podem ser parecidos, mas sem aquele ar revoltado de Radical ou o histrionismo do Major Fábio. Hoje, eu comecei a analisar o debate, entre os seis candidatos ao governo do Estado, que tivemos aqui mesmo na Campina FM. Amanhã, eu vou continuar analisando sempre atento ao que dizem os candidatos, ou melhor, ao que eles deixam de dizer.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers