sexta-feira, 11 de outubro de 2013

A HISTÓRIA DA CIDADE QUE ABSORVIA A POLÍTICA NACIONAL.


 

A história política de Campina Grande, na segunda metade do século XX, é singular em um aspecto que a diferencia de tantas outras cidades. Neste período, Campina tinha alta capacidade de absorver movimentos políticos que aconteciam no eixo Rio-São Paulo. As mudanças causadas pelo fim da 2ª Guerra Mundial e da ditadura do Estado Novo Varguista alteraram a vida política de nossa cidade e fizeram com que novos atores surgissem no cenário político municipal.



O processo da redemocratização brasileira de 1945 encontrou partidos de projeção nacional como UDN, PSD e PTB em processo de organização em Campina Grande. Até o Partido Comunista do Brasil (PCB) se estruturava na cidade. Em maio de 1945 surgiu em Campina a União Socialista da Paraíba que logo se transformou em PCB. Para deixar sua marca no cenário político da cidade a USP lança um manifesto no jornal "A Voz Diária" em 24/05/1945. Nele se lia que: “O povo de Campina Grande não poderia permanecer alheio à renovação política nacional e mundial, oriunda da derrota do fascismo e da crescente importância das massas na vida dos povos”.



Como se vê, havia um claro entendimento de que as questões políticas nacionais e internacionais deveriam ser tratadas pela sociedade campinense. Essa foi sempre a tônica dos movimentos políticos aqui surgidos neste período. Logo cedo o trabalho dos militantes comunista de Campina Grande rendeu frutos. Nas eleições de dezembro de 1945, Yedo Fiúza, candidato a Presidente da República pelo PCB, teve aqui 1.455 votos.



Nessa eleição Luis Carlos Prestes e João Santa Cruz , candidatos ao senado federal pelo mesmo PCB, tiveram 1.501 e 1.494 votos, respectivamente. Já em 1947, nas eleições para o legislativo estadual, Félix Araújo, também do PCB, teve 885 votos.  Se levarmos em consideração que, nesse período, Campina Grande tinha 18.304 eleitores veremos que essas não deixam de ser, relativamente, boas votações, à medida que estamos falando de um movimento em formação.



Já na década de 50, as ideias que deram lastro a criação da Petrobrás se alastram pela cidade. As teses nacionalistas começam a ser discutidas, em Campina Grande. O Grêmio Literário Machado de Assis é o comitê que aglutina todo esse movimento.  Ele era frequentado por intelectuais de esquerda e seguidores do deputado federal José Joffily que integrava a Frente Parlamentar Nacionalista. Foi a partir do Grêmio que se criou em 1957 o Movimento Nacionalista Brasileiro - Seção de Campina Grande.



O MNB local participou da política da cidade de 1958 até o golpe de 64, notadamente nas eleições municipais de 1959 e 1963. Os militantes do MNB campinense atuavam no sentido de inserir os problemas da cidade no contexto das questões nacionais.  A seção campinense do MNB se desenvolveu bastante a ponto de fundar, em 1958, o semanário "Evolução", que no início da década de 60 chegou a circular diariamente. O MNB tinha, ainda, um programa semanal de rádio chamado a "Voz Nacionalista".


 


Mas, foi na década de 60 que a capacidade de Campina Grande absorver os movimentos nacionais se exacerbou. Em 1961, quando o presidente Jânio Quadros renunciou, a sociedade campinense ficou em polvorosa. A população se mobilizou para não só acompanhar os fatos como para fazê-los ecoar pela cidade. Movimentos em defesa da legalidade democrática surgiam em vários setores. O Centro Estudantal Campinense decretou greve geral dos estudantes.



Greve esta que só acabou quando o vice-presidente João Goulart tomou posse. Foi nessa época que sindicatos e entidades estudantis lançaram o "Manifesto ao Povo Campinense" onde a marca do nacionalismo é sempre presente. Entre os dias 26 e 28 de agosto de 1961 foram organizados comícios e passeatas pela cidade contra as tentativas golpistas de impedir a posse de Goulart. A Câmara de Vereadores participou ativamente das manifestações.


Os setores nacionalistas da cidade promoveram manifestações em favor das reformas de base e atuaram no sentido de pressionar os deputados federais do Estado para que votassem a favor delas no Congresso Nacional. Porém, com o golpe militar de 1964, esses setores foram desarticulados. O prefeito de Campina Grande era Newton Rique que foi cassado por causa de seu envolvimento com as lutas nacionalistas.



Assim era Campina Grande. Numa época em que não tínhamos Internet e que a televisão era mais um projeto do que uma realidade, a cidade farejava o que acontecia lá fora e fazia acontecer aqui. Tudo isso influenciou o jeito que temos de lidar com a política nos dias de hoje.



Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com
AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.




Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES
Este é o "museu de grandes novidades" do qual nos falava Cazuza. Ante-sala do gabinete do Reitor da Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande.

Siga-me por Email

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers

Marcadores