DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

ESSES POLÍTICOS E SUAS FRASES MARAVILHOSAS.



O Humorista Millôr Fernandes dizia que democracia é eu mandar em você e que ditadura é você mandar em mim. Millôr foi um mestre do humor e um dos melhores criadores de frases que eu já vi. Mas, ele sofria dura concorrência. Hoje, eu vou lembrar frases magistrais de alguns políticos brasileiros. Quando eles tentam explicar o inexplicável não dá outra, só sai pérolas do pensamento político verde-e-amarelo. Nossos políticos são grandes frasistas.


A presidente Dilma disse essa semana algo interessante na tentativa de explicar que o leilão da camada pré-sal não foi uma privatização. Dilma, com aquele jeito sério e sisudo, também não resiste a uma boa frase com pitadas de bom humor. A presidente disse que seu governo não faz privatização e sim parcerias. Ela ainda afirmou que quem faz e fez privatizações é o PSDB e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Mais um pouco e ela ia lembrar das “privatarias” de José Serra.


Adorei o eufemismo. A presidente foi inteligente e substituiu um termo pesado, uma expressão inconveniente para quem é candidato, por outra mais suave, mais agradável aos ouvidos do eleitor brasileiro. Assim, saiu o pejorativo termo privatização e entrou o termo parceira, que dá ideia de união. É como se todos estivessem irmanados pelo bem do Brasil. Mas, não importa o termo, o Brasil vendeu mesmo parte considerável da camada pré-sal para os chineses.


Paulo Maluf, símbolo do comportamento antirrepublicano no Brasil, é um frasista de marca maior. Maluf é um praticante do humor politicamente incorreto. Ele perde tudo, perde a viagem, perde o amigo e até o eleitor, mas não perde a chance de uma boa frase. Certa vez Maluf disse que “se você tiver uma fazenda e, na hora da colheita, tiver que optar entre um administrador petista e uma nuvem de gafanhoto, fique com os gafanhotos”. Fantástico. Nunca pensei que diria isso, mas eu concordo com Maluf. É que o jeito petista de administrar o Estado brasileiro causa tantos estragos quanto uma nuvem de gafanhotos sobre uma plantação. Vejam que a extensão dos danos causados pelos mensaleiros petistas ainda não foi devidamente calculado.


José Sarney disse certa vez que “Governo é como violino: você toma com a esquerda e toca com a direita”. Essa frase é de um realismo que assusta. Os políticos são assim. Quando candidatos o discurso é de esquerda, uma vez eleitos, a prática é de direita. Fernando Henrique Cardoso morou muito tempo no Chile e na França, pode estudar bastante e requintar seu estilo. Foi por isso que ele constatou que “os brasileiros são caipiras, desconhecem o outro lado, e, quando conhecem, encantam-se”. Na verdade, FHC estava se referindo a ele próprio que quando conheceu o outro lado passou a pensar e a agir como o outro lado. Nada mais caipira do que um presidente brasileiro pensando como se fosse um presidente da França.

 

Quando era presidente Fernando Collor se sentia como Luis XIV, o Rei-Sol. Certa vez, numa entrevista, afirmou (se dirigindo a jornalistas pelos quais nutria profundo desprezo) que: “Eu faço a historia vocês escrevem a historia”. Collor era assim mesmo. Ele se sentia o astro-rei, o protagonista da história, o presidente que ia acabar com a inflação com um único tiro. Ele era o cara e tinha certeza disso, tanto é que disse, em outro momento, que “eu tenho aquilo roxo”.


E Severino Cavalcanti, o rei do baixo clero, que confessou, quando deixou a Câmara dos deputados, que havia empobrecido com a política. Coitado, ficou tão pobrezinho que teve que ir assaltar os cofres da prefeitura de sua cidade. O governador do Ceará, Cid Gomes, disse em 2011 que o "professor deve trabalhar por amor não por dinheiro". Eis a frase autoexplicativa. O que mais dizer diante de um cinismo sem limites desse? Mas, Cid Gomes não fez nada de mais. Apenas deixou escapar o que a maioria dos governantes pensam sobre os professores da rede público de ensino.


Política com longo histórico em termos de frases é Martha Suplicy, aquela mesma do “relaxa e goza”. Outro dia, Martha disse que “se o horário oficial é o de Brasília, por que a gente tem que trabalhar na segunda e na sexta?”. Exato. Porque, Martha Suplicy, você tem que trabalhar tanto? Podia só trabalhar uma vez por semana e depois ficar só ... relaxando. Para finalizar tem um clássico da fraseologia política brasileira. Rogério Magri, que era ministro de Collor, foi flagrado levando seu cão de estimação a um veterinário num carro oficial e deu a seguinte explicação: “mas, cachorro também é gente”.


 Que o caro ouvinte não pense que eu estou apenas fazendo graça. Na verdade, estou demonstrando que por trás das gracinhas de nossos políticos estam as verdades que eles tanto acreditam.


Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com
AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.


Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers