DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

SOMOS MEDIEVAIS.







Continuamos a acompanhar a Ação Penal 470, conhecida como “Processo do Mensalão”. Consumada a fase das condenações, assistimos, agora, o STF fazendo a dosimetria – onde os ministros definem o tamanho das penas a serem aplicadas. Como se sabe, parte delas deve ser cumprida em regime fechado.




O Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, não por acaso filiado ao PT, foi quem primeiro se manifestou sobre o cumprimento das penas. Claro, ele está preocupado com o bem estar de seus companheiros que terão que ficar algum tempo numa penitenciária.  São 25 pessoas envolvidas no caso do mensalão. Todas já foram condenadas e a maioria terá que cumprir parte de sua pena em regime fechado. Lembrando que a prisão especial, para quem tem curso superior, não se aplica a quem já foi condenado.




Zé Dirceu, José Genoíno, Delúbio Soares, João Paulo Cunha, Marcos Valério, Roberto Jefferson, Valdemar Costa Neto, e et caterva, terão que ser recolhidos a uma unidade prisional assim que todo o processo tiver terminado. Cardozo fez um longo relato sobre os defeitos do sistema prisional brasileiro. Disse que ele é medieval, que não tem como recuperar ninguém para o convívio social. Cardozo ainda afirmou estar preocupado com a integridade física dos mensaleiros.




Notem que Cardozo falou como se não fosse o titular do Ministério responsável pelo sistema prisional do país. O ministro falou como se não tivesse responsabilidades por esse sistema que ele mesmo considera medieval. A discussão chegou ao STF. Numa dessas tardes quentes de novembro, os ministros abriram um parêntese na discussão da dosimetria e passaram a opinar sobre as declarações do ministro Cardozo.




Eles opinaram sobre o qual seria a forma mais pedagógica de punir um mensaleiro e da qualidade do nosso sistema prisional. Mas, isso não alterou o propósito do STF de dar cabo desse julgamento que a sociedade acompanha. O ministro Dias Toffoli disse ser favorável a penas financeiras. Para ele, pedagógico é condenar a pessoa a recuperar valores desviados, já que os presídios têm resquícios do período medieval.




O ministro Marco Aurélio concordou com Toffoli e disse que: “a parte mais sensível do corpo humano é o bolso”. Eu não sei dos ministros do STF, mas a parte mais sensível de meu corpo e de minha mente é a liberdade que tenho para ir e vir para onde bem quiser. Pergunte a qualquer desses mensaleiros se eles aceitariam pagar 20 vezes mais do que desviaram dos cofres públicos para não ter que ficar um dia sequer na cadeia. Eu aposto tudo, menos minha liberdade, claro, como eles pagariam sim e de bom grado.








O ministro Gilmar Mendes disse até concordar com o ministro da justiça, que realmente o problema existe e que “temos um inferno nos presídios”. Mas, Mendes alertou para o fato de que agora é tarde, que essa discussão deveria ter sido feita antes do julgamento. Gilmar Mendes pôs o dedo na ferida quando solicitou ao governo federal que participe do debate sobre a segurança pública de forma mais enfática com mais verbas e, de fato, coordenando a reforma do sistema prisional.




O Estado brasileiro e os governos deixaram que o sistema prisional se tornasse medieval. Ao longo dos anos, as prisões brasileiras vêm servindo, em geral, como depósito das camadas sociais tidas como indesejáveis. Porque a preocupação agora? Porque a quadrilha chefiada por José Dirceu foi julgada, condenada e culpada na Ação Penal 470? O ministro da Justiça só lembrou que os presídios brasileiros são medievais porque seus companheiros terão que passar uma temporada em um deles?




Deve ter sido por isso, que o ministro Celso Mello disse que o sistema de execução penal é um “exercício de ficção jurídica”. Mello foi até irônico quando disse que “... a mudança no sistema prisional tem que partir do próprio Ministério da Justiça”. O fato é que o sistema prisional brasileiro foi sempre medieval. Apenas se constatou isso pela preocupação do que pode vir a acontecer com membros da elite política que terão que utilizar as dependências de alguma prisão em algum estado do país.




Mas, sempre há uma saída. Como somos uma sociedade de privilégios para poucos temos as situações especiais para aqueles que se utilizam de seus privilégios para cometerem crimes. Os mensaleiros podem cumprir suas penas no “Presídio de Caras” como é conhecida a Unidade Prisional de Tremembé em São Paulo. Para lá são mandadas as celebridades do mundo jurídico. São os que tinham tudo para não estarem presos, mas que em algum momento de suas vidas resolveram transgredir a lei.




Os mensaleiros fariam companhia a Roger Abdelmassih, a Alexandre Nardoni, a Cristian e Daniel Cravinhos, a Pimenta Neves e tantos outros. Zé Dirceu poderia até dar curso de formação política para eles, ou seria melhor não?



GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers