DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

CAMPINA, ENTRE O MONUMENTO E A MISÉRIA




Há uns dias atrás, eu me dirigia para o bairro do Catolé, quando tive que parar no sinal que fica bem ao lado de onde a Prefeitura Municipal está construindo o monumento em comemoração aos 150 anos de emancipação politica de Campina Grande. Eu tive um susto, pois não vi o Açude Velho, nosso cartão postal, aquilo que simboliza nossa cidade. Por um instante, pensei que estava no local errado. Eu estava só no carro, mas mesmo assim me perguntei em voz alta: “onde está o Açude Velho?”. O nosso Açude Velho, claro, continua onde sempre esteve. A diferença, agora, é que temos uma edificação monumental que está sendo erguido ali a esmo, como se não houvesse outro lugar melhor para fazê-lo. É já é hora de perguntar se, de fato, não haveria um lugar mais apropriado para se por este símbolo que mais parece um mausoléu, uma sepultura suntuosa, de uma família tradicional da cidade?

Eu confesso que ter aquele mastodonte bem ali, me roubando a visão do nosso querido Açude Velho, incomoda. É estranho que a PMCG tenha tido a ideia de erguer um ícone a nossa história politica, logo ali, tomando a vista de nosso símbolo maior. O problema é que nada mais pode concorrer com aquele edifício que tem a função de marcar uma data que todos bem sabemos o quanto importante é. Obviamente que o Monumento dos 150 anos vai ser uma marca da gestão do prefeito Romero Rodrigues. Sim, é uma marca, mas eu duvido que possa se transformar num marco.

Como a visão do lado esquerdo incomodava, redirecionei o olhar para o lado direito, e o que era inoportuno se tornou algo aborrecido, que só me deu desgosto. É que bem ali, onde eu estava parado, em frente ao tal monumento, havia uma criança pedindo esmolas. Isso mesmo. Uma menina, com aproximadamente seis ou sete anos de idade, aproveitara o sinal fechado para pedir algumas moedas para, por certo, comprar alguma comida que lhe saciasse a fome estampada em seu rosto sofrido. Eu me revoltei e me perguntei, também em voz alta, que espécie de cidade é essa que deixa suas crianças abandonadas na rua enquanto ergue, como diria Chico Buarque, uma estranha catedral?


Será que vai ser assim mesmo? A faraônica pirâmide dos 150 anos ficará mesmo ali, confrontando nossa triste realidade social? Porca Miséria essa em que vivemos. Conseguimos construir uma obra surreal, quem nem Salvador Dalí imaginaria, mas não conseguimos tirar aquela menina da triste situação em que se encontra. Enquanto houver uma criança que seja abandonada pelas ruas, nenhuma administração municipal poderá se gabar de absolutamente nada.  Se um governo não consegue prover bem estar aos seus cidadãos que se esqueça todo o resto, inclusive as belas obras, os totens e monumentos, as belas praças, os viadutos e seja lá mais o que for.

Nós, os campinenses, gostamos de nos orgulhar de nosso suposto passado glorioso e sempre falamos de um futuro que pensamos ser brilhante. Adoramos falar de nossa vocação para o trabalho e para o desenvolvimento. Tudo balela! Somos a cidade que não para de crescer, que tem 400 mil habitantes, que tem muitos prédios bonitos, que tem um belo Shopping Center em expansão, mas que ainda aceita que suas meninas e meninos fiquem jogados ao léu. Sempre trafego pela Avenida Canal e vejo sempre um senhor de idade avançada a pedir esmolas. Sabe o que mais me chama atenção? É que ele não pede simplesmente. Em troca de algumas moedas, ele gosta de proferir frases provocativas, que me fazem, sim, refletir. Um dia desses, ele me disse, após eu lhe dar todas as moedas que dispunha, que não adianta viver de ostentação, pois dessa vida não se leva nada. Outra vez, do alto de sua simplicidade, assolada por uma miséria sem fim, ele me falou que os maiores idiotas do mundo são os políticos por se acharem espertos. Fico imaginando que função o titânico monumento da Prefeitura Municipal de Campina Grande teria para esse senhor ou para aquela menina que pode estar, agora mesmo, naquele sinal sempre a pedir esmolas? Qual o sentido de erguer um monumento horroroso como aquele quando temos tantas outras prioridades sociais?

A equipe de reportagem da Campina FM fez uma série de matérias especiais sobre a educação no município de Campina Grande. Nossos repórteres foram a várias escolas do município entrevistar alunos e professores. Na Escola Adalgiza Amorim, perguntaram a uma aluna o que ela gostaria de pedir, o que ela queria que fosse providenciado para sua escola. Eu imaginei que a estudante pediria para o prefeito Romero Rodrigues entregar, de uma vez por todas, os tablets prometidos ainda na eleição de 2012. E é hora, também, de perguntar: “mas, afinal, prefeito onde estam os tablets que o senhor prometeu quando foi candidato?”. Tivemos uma grande surpresa, pois o que a aluna pediu foi que colocassem um vaso sanitário no banheiro da escola. Simples assim. A aluna da escola Adalgiza Amorim não está pensando em grandes recursos tecnológicos, ela quer um simplório vaso sanitário.

Na placa afixada junto ao dantesco monumento se diz que a obra custará R$ 1.459.177,22. Daria para comprar muitos vasos sanitários e daria para propiciar uma vida digna para a menina que pede esmola bem em frente ao tal monumento de aparência “quatrocentona”. Inclusive, o secretário de Obras da Prefeitura Municipal, André Agra, disse, em entrevista para o Jornal Integração da Campina FM, que o custo total da obra é de 2 milhões e 200 mil reais. Seria preciso, então, verificar melhor como está a questão orçamentária da obra e qual o seu real custo.

O fato é que o monumento vem desagradando àqueles com algum sentido estético e/ou com alguma sensibilidade social. O Ministério Público da Paraíba chegou a suspender a obra, pois além dela infringir normas de preservação ao Meio Ambiente, a Prefeitura Municipal a teria iniciado sem consultar quem quer que seja e sem ter uma apreciação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico da Paraíba. O Conselho do Patrimônio Cultural do Município de Campina Grande condenou a obra por ela prejudicar a visibilidade do espelho d´água no local e obstruir a paisagem do sítio histórico do Açude Velho. Mas, nada disso foi argumento suficiente para que a Prefeitura deixasse de tocar a obra, mesmo que não tenha conseguido cumprir o prazo para sua inauguração, que seria exatamente o dia 10 de outubro próximo passado, o aniversário da cidade.

Eu não sou contra aos monumentos, históricos ou não, até acho graça neles. Mas, me preocupa saber que eles sejam construídos por cima de nossa realidade social. Que se construam os monumentos, mas só depois que todas as nossas crianças estiverem devidamente protegidas.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Seguidores

Google+ Followers