DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

VOSSA EXCELÊNCIA NÃO É DEUS.

Nos EUA, quando um cidadão quer se impor a outro ou mesmo sobre uma instituição, pode ser um policial, ele pergunta: “Quem você pensa que é?”. A continuação da pergunta é: “... para se dirigir a mim dessa maneira”. No Brasil, quando se que fazer valer o poder econômico e/ou politico logo se pergunta: “Você sabe com quem está falando?”. Pode-se, também, usar as expressões: “Onde você pensa que está?”; “Recolha-se a sua insignificância”; ou “Vê se te enxerga”. Tanto na terra do Tio Sam como na do Zé Carioca essas expressões servem para delimitar as fronteiras entre as classes sociais. Elas são arrogantes, autoritárias e reforçam, em nós, a ideia de que a igualdade existe, mas apenas entre os iguais.

Porém, existe uma diferença. Quando um norte-americano pronuncia o “quem você pensa que é?” está se ancorando naquilo que amealhou fruto do seu estudo e do seu trabalho. É uma questão de mérito, presunçosa e soberba, mas de mérito. É que nos EUA impera a ideia do “do it yourself”, é o “faça você mesmo”. Os americanos acreditam na ideia de que é você que tem que se fazer a si mesmo. Para eles importa menos a origem e bem mais o que a pessoa fez, e como fez, para ser o que é. Por causa de sua formação liberal, anglicana, individualista, onde o trabalho é a chave para o sucesso, a sociedade norte-americana valoriza ao extremo, por exemplo, a história do imigrante que saiu da Europa e foi “fazer a América”.

Já no Brasil, impera a instituição informal do “você sabe com quem está falando?” porque nossa tradição é escravocrata. Herdamos da nobreza portuguesa essa mania estulta de viver dos títulos familiares e da riqueza deixada pelos nossos pais e avós. No Brasil, trabalhar desabonava a pessoa. A labuta foi sempre uma coisa das classes subalternas. O que fazia o nobre brasileiro se diferenciar do escravo e do pobre homem livre era o fato de não trabalhar, de viver de rendas e do sobrenome pomposo. Fomos acostumados a ver o trabalho como um enorme e pesado fardo. É por isso que a elite não dizia “quem você pensa que é?”,  pois o titulo que dispunha foi herdado. Assim, preferia dizer o “você sabe com quem está falando?”, apelando para o rico sobrenome.

Essa é nossa cultura politica. O “você sabe com quem está falando?” (e suas variantes) é, como afirma o antropólogo Roberto DaMatta, um “rito de autoridade” e é tão brasileiro como o carnaval, o seu simétrico inverso. Quando alguém usa desse expediente está querendo fazer a demarcação radical, e autoritária, das posições sociais, independente se elas existem de fato ou se são fruto das aparências que tanto gostamos de manter e, claro, demonstrar. O “você sabe com quem está falando?” mostra como ainda somos uma sociedade estratificada, desigual e preconceituosa. A única vantagem é que, a cada vez que é dito, faz cair por terra à ideia de que vivemos numa democracia racial e social.
 
Roberto DaMatta diz que ele “subverte nosso orgulho da intimidade, da suposta ausência de fronteiras e revela hierarquias mascaradas pelo carnaval, pelo futebol, pela praia”. Nosso mais grave problema é gostarmos de pensar que somos iguais em tudo. Achamos que vivemos democraticamente, sob o esplendor desse sol tropical, desde que não nos venha um juiz, como o João Carlos de Souza Correa, dar voz de prisão para a agente de trânsito Luciana Silva Tamburini por ela ter dito que “juiz não é Deus”.  Em 2011, Luciana Silva atuava em uma blitz, na zona sul do Rio de Janeiro, quando teve o azar de parar o juiz João Carlos que dirigia, embriagado e sem carteira de habilitação, um carro sem placas e sem documentos.

O juiz não aceitou que seu carro fosse rebocado, deu voz de prisão a agente de trânsito e chamou a Polícia Militar para prendê-la. Não sem antes, claro, perguntar se a agente sabia com quem estava falando ao levantar sua reluzente carteira de juiz. O caso foi parar na justiça e, pasmem, a agente Luciana Silva foi condenada a pagar uma indenização de R$ 5.000 ao juiz João Carlos. Na decisão judicial, o relator do processo, desembargador José Carlos Paes, considerou que Luciana agiu com abuso de poder. Segundo o desembargador, ao dizer que João Carlos não é Deus, e sim um juiz, a agente Luciana zombou do cargo ocupado por ele. Luciana fez a mãe de todas as constatações, irritante e ridiculamente óbvia: o juiz João Carlos de Souza não é Deus. 

 
Vinha o Juiz, num dia de sol, embriagado, dirigindo seu possante, se sentido um deus, quando a agente de trânsito, vinda das classes subalternas que trabalham, o parou para lembra-lo que ele não passa de um ser humano. Vejam como somos diferenciados. Luciana Silva alegou não poder pagar a multa que lhe foi imposta, pois recebe R$ 3.700 por mês. Várias pessoas, sem titulo nobre como Luciana, fizeram, pela internet, a famosa “vaquinha” e recolheram o dinheiro que o juiz-deus já deve ter recebido. O pior de tudo foi à decisão do tribunal que favoreceu o juiz João Carlos. Seus pares, desembargadores, fizeram um “você sabe com quem está falando?” coletivo. Foi um recado: “não mexa conosco”. No Brasil, do “vê se te enxerga”, é assim mesmo, questionou a autoridade do andar de cima, é logo punido.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers