quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

A PROPAGANDA NÃO É A ALMA DA POLITICA


Ainda hoje se diz que a “propaganda é a alma do negócio”. Isso é bem verdade, pois, como já dizia o “velho guerreiro” Chacrinha, “quem não se comunica se trumbica”. No mundo corporativo divulgar, difundir, propagar é fundamental. Se os consumidores não sabem que você produz o melhor sorvete da cidade, como vão te procurar para compra-lo? Mas, é preciso ter cuidado para não tropeçar nos conceitos. Marketing e propaganda são coisas diferentes em que pese se complementarem. Tratar marketing e propaganda como sinônimos é problema semântico e conceitual. A propaganda é tão somente uma ferramenta que se usa para divulgar a existência de um produto. Já o marketing é a filosofia do negócio por trás desse produto.

Comunicar seria, então, a arte de transmitir, informar, participar a existência de um produto. Duda Mendonça, aquele que vendia Paulo Maluf e o PT como se fossem iogurtes, mesmo que sem prazo de validade, tem algo interessante a dizer sobre isso. Misturando experiências no marketing político, com historias pessoais e um discurso autoajuda chinfrim ele diz, em seu livro “Duda Mendonça – Casos & Coisas”, que “comunicação não é o que você diz, é o que os outros entendem do que você diz”. Deve ter sido essa fórmula que ele aplicou em Paulo Maluf, um iogurte estragado da política, vendido como se fosse novo, durante cerca de 20 anos. Não importava o que Maluf dizia, interessava o que os eleitores paulistas capturavam do seu discurso.

Esse é o problema das campanhas eleitorais. Os marqueteiros oferecem seus produtos, digo seus candidatos, como se fossem iogurtes. Eles delineiam estratégias publicitárias como se o eleitor fosse comprar seu representante num supermercado. Isso cria um sem número de problemas. Um deles é ideia de que a máxima “a propaganda é a alma do negócio” se aplica, também, à politica partidária institucional. Por isso vemos os governantes tão preocupados em propagandear seus feitos. Por isso que as assessorias e secretarias de comunicação são importantes nas estruturas dos governos federal, estadual e municipal. Por isso que os governantes torram parte de nosso dinheiro para divulgar, para nós mesmos, aquilo que eles andam fazendo.

Vejam a perversão dessa relação. Os governantes diminuem as verbas das politicas públicas, que são geradas pelos impostos que pagamos, para alardear seus feitos. Lembrando que se espera que essas políticas resultem em bem estar para o cidadão. Isso é levado tão a sério que o governante que não divulga seus atos se sente culpado. Logo ele começa a achar que sua administração é mal avaliada porque sua assessoria de comunicação não está cumprindo bem o papel de divulgar atos e obras de sua gestão.

Recentemente, o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, disse que: “Nós nos comunicamos mal e divulgamos pouco”. Essa fala foi feita num contexto em que o prefeito explicava a reforma administrativa que fará em breve. Romero falava da necessidade de ampliar a área de comunicação de sua gestão. A ideia é transformar sua assessoria de comunicação em uma secretaria de comunicação. Aqui, existem duas questões a se considerar. Uma externa e outra interna. A questão externa é que alguns vereadores foram eleitos deputados estaduais. Como seus suplentes vão assumir é preciso fazer mudanças. Tornar um vereador secretario ou trazer um suplente para a ativa é a possibilidade de ampliar a base aliada.
 
A questão interna é a da comunicação. O fato é que a gestão de Romero Rodrigues se comunica mal com a sociedade campinense. Nisso ó prefeito está certo. Se vivo fosse, Chacrinha diria que gestão municipal anda se trumbicando com as palavras. O vereador Alexandre do Sindical, fiel ao prefeito como ele só, que não perde uma oportunidade de se mostrar aliado de primeira hora, disse: “A gestão de Romero Rodrigues tem feito muito, mas precisa mostrar à população que está fazendo”. O vereador ainda fez uma comparação provocativa. Disse ele: “No passado, Veneziano fazia pouco, mas dizia e divulgava que fazia muito”. Os políticos são assim mesmo. Eles gostam de acreditar em coisas que não fazem o menor sentido.

Se o governante é proativo, desenvolve politicas públicas relevantes, realiza grandes obras, administra a coisa pública de forma eficiente, se lida bem com o funcionalismo público, não precisa fazer propaganda, a população vai saber por ser o alvo disso tudo. Do contrário, se o governante não é um bom administrador, se não está preocupado com o bem estar do cidadão, se apenas se preocupa com obras que maquiam a feiura social da cidade, não tem marqueteiro no mundo que crie uma propaganda eficiente. Governantes não deveriam se preocupar com essas coisas, pois a melhor comunicação, a mais eficiente das propagandas, é a politica pública que gera bem estar para o cidadão. O resto é técnica de marqueteiro que pensa que o político é um produto como o iogurte.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Postagens populares