quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

O REAL E O IMAGINÁRIO NA SERRA DA BORBOREMA

Chegamos ao final do ano com administradores de Campina Grande prestando contas de suas ações, justificando o não cumprimento de metas e se esforçando para desenhar um cenário reluzente, tal qual as luzes de natal. Como é de praxe, o POLITICANDO cumpre seu papel e faz uma espécie de balanceamento entre o que eles dizem e o que nós vemos em nosso entorno, em nossa volta, considerando que a realidade é sempre mais sincera do que o discurso. Nas eleições, a imprensa chamava Campina Grande de “a ilha tucana”. Ela se referia, não sei se de forma elogiosa ou pejorativa, ao fato de nossa cidade ter sido a única, em todo o Estado da Paraíba, onde Aécio Neves venceu Dilma Rousseff nos dois turnos.

Lembro ter ouvido um político dizer que a tal “ilha tucana” era , na verdade, uma ilha de prosperidade, cercada de municípios problemáticos. Mas, será que é assim mesmo? Campina, e sua vocação para ser grande, segue assim opulenta, exuberante, robusta? O secretário de Desenvolvimento Econômico de Campina Grande, Luiz Alberto Leite, afirmou que “o complexo industrial Aluízio Campos se consolidou em 2014 como uma das principais ações da administração do prefeito Romero Rodrigues”. O secretario disse que o prefeito entende que a gestão municipal não gera riqueza, mas que deve atrair investimentos. Ele disse, também, que o Complexo Aluízio Campos é um divisor de águas em Campina Grande.

Certo, não cabe aos governos gerar riquezas, apesar de que os investimentos trazem divisas para a cidade. A prefeitura investe parte dos impostos que pagamos para atrair investimentos. A questão é: como a sociedade se beneficia com isso? A tirar pelo que leio nos jornais e pelo que vejo quando ando pela cidade, a ideia do prefeito não parece estar dando certo. Existe uma parcela da população campinense totalmente alijada da riqueza que a “ilha azul da prosperidade” tem produzido. O Jornal da Paraíba trouxe matéria desalentadora para os que creem que somos vocacionados para a pujança. A reportagem mostrou que 30 pessoas, adultos e crianças, estam morando entre as obras da BR-230 e o terminal rodoviário de Campina Grande.

Após ler a reportagem, me dei ao trabalho de passar no local. A miséria que vi, com aquelas pessoas abandonadas à própria sorte, contrasta com o discurso da opulência. Elas vivem em barracas improvisadas, sem qualquer estrutura que seja. Enquanto isso o poder público municipal constrói um monumento aos 150 anos de Campina Grande, no valor de 1,5 milhão de reais, e gasta mais 1 milhão de reais com a decoração natalina feita para poucos, pois se reduz às áreas centrais da cidade. Eu tenho certeza que com esses 2,5 milhões de reais daria para tirar aquelas pessoas da situação perturbadora em que se encontram e eu não estou falando de assistencialismo. Falo de políticas públicas voltadas para o bem estar das pessoas.

Parte do secretariado do prefeito Romero Rodrigues parece mesmo não ter, ainda, entendido que, apesar de sermos uma ilha, enfrentamos aqui todos os grandes problemas que as outras mortais cidades brasileiras possuem. O secretario de Administração, Paulo Roberto Diniz, disse que a maior realização de sua pasta foi à organização de um concurso público. Na verdade foi uma péssima realização, até porque o tal concurso teve que ser anulado por problemas operacionais. Já o secretario de Planejamento, Marcio Caniello, disse que a ação mais relevante de sua pasta foi ter concluído o projeto de requalificação da Feira Central. Ele disse que já está tudo pronto, faltando apenas a CEF liberar os recursos para iniciar as obras. Mas, não adianta ter projetos prontos se os recursos não são liberados. Elaborar projetos não é ação relevante que se diga. Quando nossa Feria Central estiver devidamente requalificada aí, sim, poderá se ter uma grande ação para chamar de sua.

O secretario de Finanças, Gustavo Nogueira, deu uma declaração, no mínimo, constrangedora. Ele disse que que a sua pasta é a menos importante da administração municipal, pois ela é uma pasta técnica e instrumental. Disse também que as secretarias de educação, saúde, assistência social, obras, é que são as mais importantes. Certo, mas se a pasta das finanças não fizer seu trabalho técnico e não instrumentalizar a área social, com recursos, nada mais pode funcionar. O secretario Marcio Caniello explicou a situação de tão poucas ações que permitiram o acúmulo de problemas sociais. O ano eleitoral dificultou o acesso da prefeitura às verbas do governo federal. Não havia tempo para pensar em outra coisa que não fosse eleição. Em 2014 muito pouco se fez em Campina Grande e não me parece que essa imobilização administrativa deva ser culpa exclusiva das eleições. Esperemos 2015 torcendo para que o governo municipal possa ser mais proativo em relação ao social.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Postagens populares