DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

ABAIXO A NEUTRALIDADE!






Eu tenho acompanhado uma movimentação estranha na política paraibana. Atores políticos relevantes que participaram ativamente (como candidatos) do 1º turno passaram a assumir uma postura de neutralidade para este 2º turno. Eu vou analisar essa questão, pois considero que nada pode ser mais tendencioso do que a neutralidade de um ator político. Se na política vive-se de fazer escolhas e buscar alternativas, adotar a neutralidade soa, no mínimo, falso.




Na química, o elemento neutro é aquele que nem é ácido e nem é base. Na física, neutros são os corpos sem eletrização, são os condutores que não sediam correntes. Já na gramática, neutras são as palavras que não são nem masculinas nem femininas. Nas relações de poder entre nações, um Estado é neutro quando não toma parte em uma guerra. Nações que não participam de um conflito direta ou indiretamente são chamadas neutras, já as que se envolvem são tidas como beligerantes.




Em política, assumir-se neutro é não ter (ou não querer ter) uma posição definida. A neutralidade na política é, em geral, a atitude de quem prefere não assumir uma posição política à frente de todos para se preservar para outros momentos. De antemão eu devo dizer que a neutralidade não existe. Quando um ator político se assume neutro está na verdade assumindo uma postura política, portanto está deixando de seu neutro.




O político, poeta e escritor italiano Dante Alighieri, autor de a “Divina Comédia”, afirmou que “no inferno os lugares mais quentes serão reservados àqueles que escolheram a neutralidade em tempos de crise”.




Eu não seria radical como Alighieri, mas bem que o político que assume uma postura dessas deveria sofrer alguma punição. Na verdade, isso já está acontecendo, pois este festival de neutralidade que assola a Paraíba vem dos que foram punidos pelas urnas.







A Deputada Daniella Ribeiro optou pela neutralidade depois de ficar em 3º lugar na eleição do 1º turno. Numa entrevista, com clima de fim de festa, ela anunciou: “Eu não apoiarei nenhum candidato, não votarei em nenhum dos dois”. O fato é que a deputada do PP ficou sem alternativas. Depois de se colocar como independente e de criticar as candidaturas de Romero Rodrigues e Tatiana Medeiros ela não teve como fazer o caminho de volta.




Arthur Bolinha não só declarou-se neutro como ainda desdenhou do fato de o eleitorado campinense não ter comprado o projeto apolítico que ele oferecia. Assim como Daniella, declarou-se neutro e se afastou do processo. O que Daniella e Arthur não entendem é que ao se declararem neutros estam cometendo apostasia, ou seja, estam abandonando a própria sorte seus eleitores que de uma forma ou de outra acreditaram em suas propostas, intensões e projetos.




Em João Pessoa a neutralidade campeia. Até os animais do Parque Arruda Câmara (a famosa Bica) se declaram neutros. A ida de Luciano Cartaxo e Cícero Lucena para o 2º turno deixou muitos sem alternativa. É que atores e partidos políticos não trabalham com a possibilidade de apoiarem alguém no 2º turno. Agem para serem apoiados, nunca para apoiar. Além dos mais eles tanto se desgastaram no processo pré-eleitoral que agora não mais conseguem dialogar.




Os democratas da Capital foram os primeiros. Decretaram a neutralidade depois de verem a esdrúxula equação que levou Efraim Filho a ser o vice de Estelizabel Bezerra fracassar. Na verdade, eles não ficaram neutros, preferiram sumir do mapa político. A própria Estilizabel defendeu a neutralidade. Outro caso em que subir ao cimo do muro foi saída única. É que para ela, e para o governador Ricardo Coutinho, só restava ir para o 2º turno, pois como compor com inimigos declarados?







O ex-governador José Maranhão declarou-se neutro e, ato continuo, seu partido (PMDB) seguiu sua orientação. Neste caso, não se trata de indisposições. É que Maranhão está acostumado a ser seguido, nunca a seguir.




PDT, PTN e PEN também se declararam neutros, apesar de terem liberado seus militantes a apoiarem quem bem quiserem neste 2º turno. Aqui a neutralidade serve de escudo para que se tomem outros caminhos. Renan Palmeira e o PSOL de João Pessoa se declararam neutros, dizendo que o resultado da eleição expressa a limitação da democracia brasileira. O que se conclui disso? Que se Renan estivesse no 2º turno nossa democracia seria ilimitadamente boa.




A neutralidade foi uma confortável justificativa encontrada pelos candidatos para se ausentarem dos processos políticos na perspectiva de não terem que se comprometer em futuras negociações políticos. Estes atores políticos não entende que no mundo da política se permite muita coisa. Existem justificativas para tudo, até para as tais condutas vedadas, menos para a neutralidade.



GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers