DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

VITÓRIA DE PIRRO DA DEMOCRACIA



Charge do cartunista Laerte. Revista Caros Amigos - Ano IV - n° 15 - Novembro/2002.

Edição Especial “Para onde vai a democracia?”


Fala-se que Pirro, rei do Épiro na Grécia, disse, ao ganhar a batalha do Ásculo no ano 208 a.C., que outra vitória daquela e ele estaria perdido. Pirro se referia a quantidade de guerreiros que viu morrer e ao fato de não ter mais onde recrutar soldados. É por isso que se diz, quando uma vitória é obtida a um alto preço e com graves prejuízos, que se teve uma “vitória de Pirro”. Assim estamos nós em relação ao sistema democrático que temos.



Não vivemos mais em uma ditadura. Ganhamos a batalha contra o autoritarismo. Avançamos em muitos aspectos. Mas, a que preço? O que conseguimos levar dessa vitória? Temos uma democracia sólida? Vivemos em uma democracia de procedimentos, recheada de formalismos, mas nossa cultura política é herdeira das prerrogativas que as ditaduras que tivemos no século XX nos legaram. O nosso “custo democracia” é muito alto e os benefícios são muito baixos.




Antes que alguém pense que eu prefiro algum tipo de sistema autoritário, quero dizer que a mais deficiente das democracias é sempre melhor do que a mais eficiente das ditaduras. Mas, a falta de qualidade de nossa democracia é gritante.




Ouvimos o tempo todo que a democracia brasileira está consolidada. Afirma-se que eleição é a festa da democracia. Festa? Como assim? Eleição é o processo pelo qual escolhemos nossos representantes. Simples assim.



Por que, depois de tantas eleições, com alternância no poder (que é condição necessária, apesar de insuficiente, para se ter democracia), continuamos a tratar este momento como algo inusitado? Como algo raro. Temos eleições a cada dois anos, mas elas são aguardadas e tratadas como uma Copa do Mundo, como se fossem um cometa que nos visita a cada cem anos. Assim, temos mesmo que tratar as eleições como uma grande festa.




A realidade desmente os desprovidos de cautela, os que apressadamente proclamam que nossa democracia é sólida. Nós não temos, neste momento, ameaças de uma volta a um passado autoritário. Mas, isso é tudo?




Nossa democracia tem deficiências que as eleições que acompanhamos fazem aflorar. Vejamos exemplos, quem sabe se não nos convencemos do óbvio ululante. E vejam que não vou falar de fatos isolados, mas de coisas que ocorrem a cada nova eleição. Vejamos a presença das Tropas Federais nas ruas no dia das eleições. Se nossa democracia é sólida, as urnas é que deveriam assegurar as armas, não o contrário. Como na época da ditadura, seguimos recorrendo a força para garantir procedimentos formais.




Nas eleições de 2010 e nas deste ano traficantes e milicianos, em pontos da cidade do Rio de Janeiro, usavam e usam uma espécie de “tabela” com valores que variam entre 10 e 30 mil reais a serem pagos por candidatos que buscam votos nos domínios deles. Em 2010, tivemos em Campina Grande denuncias dando conta do envolvimento promíscuo de candidatos a cargos eletivos com traficantes. Sabemos que em alguns locais foi imposta a lei do silêncio para que certos candidatos fossem beneficiados.






O nosso estado de direito é tão frágil que precisa das Forças Armadas para garantir princípios e direitos do cidadão, como o de ir e vir e o de expressar opiniões. Não bastam as instituições coercitivas como a Polícia Militar? Precisamos mesmo daqueles que são treinados para a guerra?




Cada um de nós tem pelos menos uma história para contar acerca do comportamento pouco republicano de muitos candidatos que descem ao submundo dispostos a tudo para se elegerem e assim viverem às custas dessa generosa mãe que é o Estado brasileiro.



Nós sabemos que as definições sobre as coligações partidárias e sobre quem será candidato passam bem mais pelos espaços privados (familiares até) e bem menos pelos espaços públicos das instituições que por certo deveriam nos representar.



Entre os meses de maio e junho estabeleceu-se um mercado, não de produtos, mas de siglas partidárias. Era a dança das agremiações. Teve partido que circulou por entre quase todas as candidaturas até que se batesse o martelo e terminasse o leilão.



O cientista político norte-americano Scott Mainwaring definiu, num artigo chamado “Classificando Regimes Políticos na América Latina”, que para que um sistema político seja considerado minimamente democrática precisa ter cinco componentes básicos. Seriam eles: (1) a promoção de eleições competitivas, livres e limpas para o legislativo e o executivo; (2) a existência de uma cidadania adulta e abrangente; (3) ampla proteção às liberdades civis e aos direitos políticos; (4) governos eleitos e de fato governando; (5) a existência de um efetivo controle dos civis sobre os militares.



Eu sugiro que o caro ouvinte tente verificar se nós temos, aqui mesmo em nossa cidade, pelo menos metade dessas condições. Se você chegar às mesmas constatações a que chego diariamente tenha certeza que nosso sistema político está muito longe de ser uma sólida democracia.




GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers