sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Você tem certeza que quer ser mesmo prefeito?






No espectro político brasileiro existem alguns cargos que são verdadeiros fardos. Os cargos de vereador e de prefeito são os mais difíceis que se pode ter. Primeiro porque o prefeito e o vereador são os dois políticos mais próximos do eleitor.




Eles moram na mesma cidade, no mesmo bairro e na mesma rua do eleitor. Literalmente, o prefeito e o vereador não têm como se esconder do eleitor já que podem se encontrar com ele em todos os lugares. Quando o eleitor tem um problema, ou quer demandar alguma coisa ao poder público, não procura o presidente da república ou o governador do estado. Raramente busca um senador ou os deputados federais e estaduais para o que quer que seja.




Os políticos que estam ao alcance da mão são o vereador e o prefeito. Imagine se dá para resistir à tentação de falar daquele buraco, que abriu na rua, para aquele vereador que o eleitor encontrou na fila do self servisse do shopping? Se o eleitor mora na mesma rua ou no mesmo prédio do prefeito porque ele vai fingir que aquele com quem cruza todos os dias é um morador como outro qualquer? Não, não vai. Cada vez que ele encontrar o prefeito vai querer demandar alguma coisa.



O executivo municipal surgiu para suprir as necessidades localizadas que o governo geral não tinha como atender. Na época do Brasil Império não existiam, nas cidades, dois poderes (o executivo e o legislativo). Havia, apenas, a Câmara Municipal. Foi com a Constituição de 1934 que o cargo de Prefeito ganhou o formato que possui até hoje. Foi a partir daí que o prefeito passou a chefiar o poder executivo, exercendo um mandato eletivo para administrar a gestão pública municipal.






Ao prefeito cabe elaborar políticas públicas para saúde, educação, habitação, transporte público, mobilidade urbana, etc. Enfim, ao prefeito cabe cuidar de tudo que é pertinente ao bem-estar e qualidade de vida dos moradores de seu munícipio. Ao prefeito cabe empreender a gestão da coisa pública, o controle das finanças públicas, o planejamento e concretização de obras. Sem contar que ele tem que sancionar as leis aprovadas em votação pela Câmara Municipal.



O prefeito pode, ainda, vetar leis aprovadas pela Câmara Municipal, além de elaborar projetos de leis. E não há limites para isso. Ele pode elaborar tantos projetos quanto achar necessário. Como podemos ver o prefeito tem muito, mas muito mesmo, poder em suas mãos. Da forma como está disposto na Constituição o prefeito seria uma espécie de presidente da República em miniatura.





Agora, imagine que o prefeito que foi eleito não reúna as condições necessárias para lidar com tamanho poder e responsabilidade. Imagine que o prefeito eleito não tenha experiência, capacidade intelectual e uma personalidade apta a lidar com tanto poder. Além do mais, ser prefeito em uma cidade como Campina Grande não é nada fácil. Primeiro vamos considerar que os recursos disponíveis são sempre em menor quantidade do que as demandas existentes.



Segundo, os problemas socioeconômicos são cada vez maiores. Com a crise econômica se alastrando pelo mundo afora não vai demorar muito para sentirmos seus efeitos. Se é que já não sentimos, pois começamos a perceber efeitos inflacionários em nosso bolso. Os problemas ambientais se avolumam. Cada vez mais conseguimos oferecer menos soluções para questões como a poluição ambiental. Vejam toda a polêmica gerada porque ainda não sabemos bem o que fazer com o lixo que produzimos.



Campina Grande é uma cidade condenada aos caos em termos de transportes. Cada vez mais temos mais carros e motos pelas ruas. A sensação que temos é que as ruas estam encolhendo. O transporte público é uma punição para quem dele se utiliza. Calcula-se que daqui a 15 anos o número de carros vai ser igual ao de habitantes. Calcula-se, também, que cada vez mais o clima vai ficar mais quente. Daqui a uns 20 anos continuaremos a nos orgulhar de nosso clima serrano?




Eu não quero ser o profeta do caos. Mas, também, não quero ser um tolo otimista fingindo que não temos problemas. Nós temos muitos problemas e eles tendem a aumentar. Essa pessoa que elegeremos domingo vai ter a função de pensar esses problemas todos que temos. O prefeito existe para tratar dos problemas, das dificuldades e para administrar uma cidade complexa.




Se eu pudesse dizer, ainda, algo a Romero Rodrigues e Tatiana Medeiros, diria: “você realmente tem certeza que quer ser prefeito, ou prefeita, de Campina Grande? Pense bem, pois ainda tem tempo para desistir”.





GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Postagens populares