sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Dilma, “Avenida Brasil” e a eleição.









Ontem, quando eu começa a escrever a coluna de hoje, que analisaria a nova composição que a Câmara Municipal de Campina Grande terá a partir de 01 de janeiro de 2013, me deparei com uma notícia que me chamou a atenção. Na verdade, eu não deveria levar essa notícia a sério, deveria estar agora tratando dos nossos novos representantes. Mas, eu fico devendo essa coluna para a próxima semana. O caro ouvinte , se quiser, pode me cobrar.




A notícia, que me desviou da pauta original, dava conta que o TRE da Bahia proibiu que Nelson Pelegrino, candidato a prefeito de Salvador pelo PT, exiba o último capítulo da novela "Avenida Brasil", da TV Globo, em seu comício. Este comício ocorrerá logo mais a noite e contará com a presença da presidente Dilma Rousseff. Ela mesma tinha manifestado o desejo de ficar em casa, digo no Palácio da Alvorada em Brasília, junto com sua mãe assistindo ao último capítulo da novela. Uma coisa meiga, nada soa mais familiar que sentar no sofá da sala para assistir a novela. Tudo normal, não fosse o fato de antes da “noveleira Dilma” existe a presidente Dilma que tem toda uma série de responsabilidades para com o país.




Ao confirmar a presença de Dilma no comício, o senador e coordenador do comitê de Pelegrino, Walter Pinheiro, disse, em tom de brincadeira, que “por causa da novela, um telão transmitirá Dilma e Carminha”, numa alusão a uma das personagens da novela.




O que aconteceu foi que a coordenação da campanha de Nelson Pelegrino levou a coisa a sério e ficou com receios de que o comício fosse esvaziado por causa da audiência da novela “Avenida Brasil”. Eles ficaram em dúvida se as pessoas deixariam de ver a novela para ir ao comício ver Dilma. Na dúvida, melhor não arriscar. Alguém teve a brilhante ideia de instalar um enorme telão no local do evento.




O comício será em Cajazeiras, que é um dos bairros mais populosos de Salvador. Um desses gêniosinhos do marketing eleitoral deve ter dito: “vamos incorporar o último capítulo da novela ao comício, pois isso dá muitos votos”.




O aprendiz de Duda Mendonça deve dito: “Já pensou parar o comício para ver quem foi que matou o Max”. Imagine, caro ouvinte, a cena. Está lá a presidente Dilma discursando, pedindo votos para seu candidato. Todo mundo prestando atenção na presidente que vai mostrando como “... nunca antes na história desse país fomos tão desenvolvidos e tão felizes”. Aí se aproxima um assessor, cochicha no ouvida da presidente e ela diz: “gente, vamos assistir a novela?”.




Aí para tudo. Para o comício, para o trânsito, para o Brasil, porque tudo mundo quer saber quem matou o Max. Será que essa gente imaginou que isso daria votos para Nelson Pelegrino? Mesmo querendo acreditar que não, eu acho que pensaram sim. Chega a ser patético. A elite política desse país aceitando dar um tempo na luta pelo poder (o oxigênio deles) para assistir ao último capítulo da novela. E sabe o que é mais engraçado? É que houve quem desse cabimento a um disparate desses.








Foi à coordenação de Campanha de ACM Neto, que disputa o 2º turno com Pelegrino em Salvador, quem encaminhou o pedido ao TRE solicitando que fosse proibida a exibição do último capítulo da novela. O advogado Ademir Ismerim, do DEM, argumentou na solicitação ao TRE que “a prática anunciada pelo PT se assemelharia a um showmício, algo não permitido pela legislação eleitoral”. E eu fico imaginando se a legislação eleitoral deveria se preocupar com isso.




A juíza da 9ª Zona Eleitoral, Ana Conceição Barbudo, disse que “tal conduta teria fins eleitoreiros, usufruindo de imagens de artistas globais e do Ibope da programação". Ela vedou a exibição, no telão, de "qualquer tipo de situação que não se relacione com o objeto da campanha". Eu acho que essa juíza não gosta de novelas. E ela ainda solicitou que a Polícia Militar garanta o cumprimento da decisão. Imagine, a PM em praça pública proibindo as pessoas de assistirem o último capítulo da novela. Só faltou chamar o exército para impedir que a presidente Dilma assista à novela.




O PT baiano chegou a antecipar o horário do comício para as 19h, para que não coincidisse com o horário da novela. Mas, algum espírito de porco deve ter dito que as pessoas não chegariam em casa a tempo e que era melhor passar no telão.




Disso tudo o que se conclui e que continuamos a não saber separar o que é público do que é privado. E seguimos valorizando o que não tem importância e desdenhando daquilo que é fundamental para nós.




Hilário foi o comentário de Pelegrino ao saber que ACM Neto tinha conseguido impedir que ele e a presidente assistissem à novela de cima do palanque. Solenemente, disse ele que: “meu adversário, mais uma vez, tem uma conduta contra o povo de Salvador".




Incrível, um defende o povo porque quer que ele assista à novela, o outro é contra porque tentou impedir. E eu fico a me perguntar por que deixei de analisar a nova composição da Câmara dos Vereadores de Campina Grande para falar dessa patuscada toda. Será que eu consegui ser mais noveleiro do que nossa presidente?






GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Postagens populares