segunda-feira, 18 de agosto de 2014

A IMPONDERÁVEL MARINA VOLTA A ATACAR


Eu afirmei, aqui no POLITICANDO, que em condições normais de temperatura e pressão Marina Silva seria a candidata do PSB, no lugar de Eduardo Campos. Sua indicação seria óbvia se a operação político-partidária no Brasil não fosse tão pouco republicana. Fôssemos uma sociedade acostumada a lidar com a normalidade do processo democrático não haveria toda essa discussão, Marina seria a candidata de uma forma natural, simples. A questão seria escolher um vice para ela. Se nós não tivéssemos essa mania autoritária, pouco convencional em outros povos, de virar a mesa para maximizar interesses, o PSB e seus aliados, além de PT, PMDB e PSDB não teriam movido um único dedo para impedir que Marina fosse candidata.

A imponderável tragédia, que tirou a vida de um candidato a presidente da República, só deveria impor novas decisões aos eleitores que, por ventura, já tivessem decidido votar no candidato falecido. Mas, se fosse assim não seria o Brasil, seria a Dinamarca. O fato é que a ascensão de Marina Silva à condição de candidata a presidente pelo PSB não foi automática, normal, natural. Até a sexta-feira haviam bem mais partidos e atores políticos contrários a essa solução do que pode supor nossa vã filosofia. Lula, Dilma e os caciques do PMDB não queriam ouvir falar em Marina sendo candidata depois de tudo que fizeram para impedir que o “REDE Sustentabilidade” se tornasse um partido. Aécio Neves treme só de pensar em ver Marina lhe tirando a vaga no 2º turno.

É fácil se entender porque os adversários de Marina não queriam vê-la candidata. Mas, como explicar que a maioria da Executiva Nacional do PSB tenha defendido outra solução para o dilema de encontrar um substituto a altura de Eduardo Campos? É bom lembrar do quanto se ponderou que Eduardo Campos é que deveria ser o vice de Marina Silva, que teve que aceitar ser a vice, já que não dispunha de uma sigla para chamar de sua, ao contrário de Eduardo que controlava o PSB com mão de ferro. Márcio França, deputado federal pelo PSB, que se tornou, contra a vontade de Marina, vice na chapa de Geraldo Alckmin é um dos que a reprovava como solução para o imbróglio. Para ele, apostar em Marina deixaria o PSB sem um legado, sem herança.

Roberto Amaral, dirigente do PSB desde a sua recriação após a ditadura militar, disse que Marina seria péssima opção, pois assim que o “REDE Sustentabilidade” se tornar um partido ela sairá do PSB levando contingente considerável de militantes. Mas, existe a vertente no PSB que quer Marina candidata. Rodrigo Rollemberg, senador e candidato ao governo do Distrito Federal, e os deputados federais Beto Albuquerque e Júlio Delgado falaram em manter o legado de Eduardo Campos através de Marina. Roberto Freire, deputado federal pelo PPS, defendeu a continuidade do projeto Eduardo/Marina. Inclusive, se cogitou que ele fosse o vice de Marina. PPL, PRP, PHS e PSL, os outros aliados do PSB, também queriam Marina candidata a presidente.

Mas, eles pediram uma Marina mais maleável. O PSL, por exemplo, disse que só aceitaria Marina se ela mantivesse os compromissos assumidos por Eduardo Campos, a exemplo da reforma tributária e dos acordos com o agronegócio. Estes partidos impõem a Marina que ela aceite as composições estaduais que Eduardo Campos fez. Mas, Marina Silva tem, também, seus senões. Ela disse que apresentaria, no momento certo, suas condições para não assumir uma chapa “às escuras”. Marina quer, sim, ser candidata, mas ela não quer ninguém tolhendo seu discurso e suas ações. Ela diz que não vai deixar de fazer criticas a partidos como o PSDB, mesmo que o PSB tenha feito composições com os tucanos em sete Estados brasileiros.

As notícias do final de semana dão conta que o PSB, e seus aliados, superaram as divergências e acordaram lançar Marina Silva à Presidência da República, no lugar de Eduardo Campos, na próxima quarta-feira. Certo, é o mais lógico a se fazer. Mas, a questão não é o que está acontecendo, mas como acontece. Como é que o agronegócio, por exemplo, vai aceitar Marina, até para financiar a campanha, se ela não abre mão de seu discurso em favor da sustentabilidade? Para que é mesmo que Marina Silva será candidata a presidente? Ela fará o que quer o PSB? Subirá no mesmo palanque de Geraldo Alckmin, do PSDB, em São Paulo? Ou ela manterá seu discurso para acima e além de interesses que ela mesma despreza?

O fato é que Marina deve retornar à cena política por cima da carne seca, como gostamos de dizer. Com seu capital eleitoral, e com a comoção pela morte de Eduardo Campos, ela deve vir a se colocar entre Dilma e Aécio nas pesquisas. Mas, isso é suficiente para ir ao 2º turno e ganhar a eleição? Marina ainda precisa de um vice leal a Eduardo Campos, que seja de sua confiança e que tenha a capacidade de unir a “ala petista” e a “ala tucana” do PSB. Ou seja, este vice não existe. Não há quem possa reunir estes três itens, nem própria Marina. A preço de hoje, os adversários de Marina são os seus aliados e os seus concorrentes. Marina vai remar contra uma maré das mais violentas. Como ela se sairá, só o tempo nos dirá.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Postagens populares