quinta-feira, 14 de agosto de 2014

EDUARDO CAMPOS – COMO ENTENDER?



No final do mês de Maio, Eduardo Campos veio à Campina Grande para uma visita de sua campanha eleitoral. Naquele momento, Eduardo se apresentava como “o futuro” e dizia que um nordestino precisava voltar a governar o Brasil. Em maio, além da certeza de que seria mesmo candidato a presidente, tendo Marina Silva como vice, Eduardo Campos não passava de uma promessa futura, pois ele continuava patinando entre os 5 e 6 pontos percentuais nas pesquisas. Agora, de acordo com a Pesquisa Ibope, divulgada no final da semana passada, o ex-governador de Pernambuco tinha chegado aos 9 pontos percentuais. Isso o deixava otimista, pois além de crescer nas pesquisas, ele tinha baixos índices de rejeição.

Eduardo Campos chegou a ser o governador de Estado mais bem avaliado de todo o Brasil alcançando invejáveis 87% de aprovação de seu governo. E isso foi no começo do 2º semestre de 2013 quando os políticos sofriam as consequências das manifestações. Sim. Eduardo Campos era uma promessa futura, já que esta eleição serviria para projetá-lo nacionalmente, pois dificilmente ele conseguiria chegar no 2º turno. O que não quer dizer que já não estivesse desempenhando papel importante no processo. É que como ele vinha crescendo nas pesquisas, havia a possibilidade dele influir diretamente para levar a eleição ao 2º turno. Inclusive, havia uma disputa acirrada entre o PT e o PSDB para ver quem iria ser apoiado por Eduardo Campos no 2º turno.

O jornalista Fernando Rodrigues, do UOL Notícias, disse que a morte de Eduardo interrompeu um ciclo de renovação da política nacional. Ele lembrou que, fora do PT e do PSDB, não haveria outro político jovem com essa capacidade renovadora. Eduardo dizia: “Eu vou ganhar a eleição, porque o povo está cansado da polarização PT/PSDB”. Faz, ou fazia, sentido. Mas, é bom lembrar que o povo está cansado disso, mas não parece cansado do modelo tão próprio encarnado pelo PT e pelo PSDB. O ex-presidente Lula dizia a Eduardo: “Um dia, você vai ser presidente da República”. Na verdade, Lula queria dizer que Eduardo iria, sim, ser presidente, mas só quando finalmente acabasse o ciclo de Dilma e dele próprio no Palácio da Alvorada.


Eu não sei, ninguém sabe, se Eduardo encarnaria este futuro promissor de modo a transformá-lo num presente interesse para todos nós. O fato é que é mesmo lamentável que alguém tão jovem, com tantas possibilidades, tenha desaparecido dessa forma. Eu não posso afirmar se Eduardo Campos era exemplo de renovação. Mesmo tendo sido um bom governante, com desempenho bem acima da média nacional, e com um currículo sem máculas ou fissuras, Eduardo era um ator político racional, pragmático. Ele compôs alianças regionais, em nome do PSB, e em nível nacional com partidos mestres na prática do fisiologismo político. Apesar de que, Eduardo foi um dos responsáveis por um dos lances mais inteligentes da política dos últimos tempos.

Eduardo foi capaz de articular a ida de Marina Silva para o seu partido, depois que o PT e o PMDB influíram pesadamente, junto ao TSE, para impedir a transformação do REDE Sustentabilidade em um partido político. Eduardo foi hábil em convencer o PSB em dar guarita a Marina Silva. Convenhamos, Eduardo foi aos poucos conquistando Marina. Ela foi deixando de lado seu jeito desconfiado e nos últimos dias aparecia sempre muito sorridente ao lado de Eduardo. Inclusive, a pergunta que não quer calar é se Marina Silva será a substituta de Eduardo Campos, i.e., se ela será a candidata a presidente pelo PSB, restando a Coligação Unidos pelo Brasil a tarefa de escolher um novo vice para Marina.

De acordo com a legislação se faculta ao partido, ou à coligação, substituir o candidato que falecer, que for inelegível ou que renunciar. A escolha do substituto será feita de acordo com o estatuto do partido a que pertence o candidato a ser substituído. O novo candidato deve ser escolhido por decisão da maioria absoluta dos partidos coligados. O substituto pode ser filiado a qualquer um dos partidos coligados, desde que o partido ao qual pertencia o substituído renuncie ao direito de preferência. Um novo candidato deve ser registrado, junto ao TSE, num prazo máximo de dez dias após a morte do candidato. Seria lógico e até legitimo que Marina Silva se tornasse a candidata a presidente pelo PSB? Seria, se nós estivéssemos na Dinamarca.

No Brasil, a política é tão surpreendente quanto à própria morte. A coligação que abriga a chapa Eduardo/Marina é composta por PHS, PRP, PPS, PPL, PSB e PSL. Não foi nada fácil para Eduardo convencer estes partidos de aceitarem Marina como sua vice. Eu não me surpreenderei se estes partidos resolverem negar apoio a Marina Silva e buscarem outro candidato. Apesar de que, o pragmatismo deles pode falar mais alto se lembrarem do bom desempenho que Marina teve nas urnas em 2010. Se prevalecer o bom senso, isso nem sempre acontece na política brasileira, Marina se torna candidata pelo PSB com mais chances de ir ao 2º turno. Bem mais do que tem Aécio Neves e mais do que teria o próprio Eduardo Campos. Marina, fadada a ser mero coadjuvante dessas eleições, poderá voltar a ser protagonista da cena eleitoral. Aliás, se Mariana se tornar candidata a presidente o jogo mudará por completo e poderemos até ter um 2º turno com duas mulheres: Dilma X Marina.
Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Postagens populares