DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

terça-feira, 14 de agosto de 2012

NO AR, A GALERA MEDONHA.






Daqui a uma semana vai entrar no ar um dos maiores campeões de audiência da televisão e do rádio brasileiro. Eu falo do Guia Eleitoral. Não, eu não estou brincando. A propaganda eleitoral tem sim boa audiência. Para o bem e para o mal, por mera curiosidade ou para conhecer os candidatos e suas propostas, o fato é que nós acompanhamos o guia eleitoral, nem que seja para falar mal ou dar algumas boas gargalhadas.



Algumas pessoas acompanham o guia como se assistissem uma corrida de Fórmula 1. Ficam na frente da TV esperando que um piloto sobre na curva e role para fora da pista e até torcem para ver acidentes mais sérios. Já ouvi pessoas dizerem que assistem o guia eleitoral esperando a baixaria. Elas torcem para ver o pior dos candidatos, os erros cometidos e as acusações. Já me foi dito que o guia só tem graça se tiver baixaria.



O IBOPE divulgou uma pesquisa, feita na metade do mês de julho na cidade de Ribeirão Preto (SP), que se lida corretamente pode nos oferecer uma luz sobre nossa relação passional com o guia eleitoral.


Foi perguntado aos entrevistados qual a influência dos programas eleitorais na decisão de em quem votar. 12% deles afirmaram que tem muita influência, 23% disseram pouca influência e 64% nenhuma influência. Mas não se perguntou se elas assistem ao guia. A questão era saber se a propaganda influencia na decisão do eleitor. Eu vou considerar que os entrevistados assistem ao guia, se não como responderiam a pergunta?



Existe boa possibilidade desses 12% que aceitam a influência do guia terem capacidade de contaminar os que estam em sua volta. Assim a propaganda eleitoral teria uma capacidade multiplicadora. Já os 64% que disseram que o guia não os influencia, podem ser aquelas pessoas que simplesmente desligam a TV todas as vezes que a “galera medonha”, como diz o Macaco Simão da Folha UOL, entra no ar.



Se o guia eleitoral não tem audiência ou mesmo influência, porque os partidos e atores políticos se batem em buscas daqueles preciosos minutos? Se o guia fosse inútil, os políticos já tinham acabado com ele.



Vejamos que o PT foi (e é) alvo de disputa em Campina Grande principalmente pelos minutos que traz para o guia eleitoral daquela coligação que estiver compondo. Para quem não sabe o tempo de cada partido no guia eleitoral é determinado por um cálculo que considera o número de parlamentares que cada agremiação tem no Congresso Nacional.



É por isso que Alexandre Almeida, do PT, ficou com 4 minutos e 58 segundos, pois a bancada do PT em Brasília é a maior de todas. Se o cálculo considerasse apenas o tamanho da bancada de cada partido na Câmara dos Vereadores, Alexandre mal teria tempo para dar um espirro. É por isso que a Coligação “Pra Campina Crescer em Paz”, de Daniella Ribeiro, ficou com 3 minutos e 30 segundos. Um tempo curto se considerarmos suas pretensões eleitorais. Esse foi um golpe que ela parece não ter assimilado.








Tivesse Daniella mantido o PT consigo teria longos  7 minutos e 88 segundos no guia eleitoral. Alexandre pode não ter maiores pretensões eleitorais, mas tem tempo suficiente para desempenhar o papel que bem quiser. Arthur Almeida, com 2 minutos e 14 segundos, e Guilherme Almeida, com 2 minutos e 34 segundos, ficaram com um tempo que não permite que se abuse das perfumarias. Mas, é um tempo que se usado com sabedoria pode leva-los a outros patamares.



Guilherme depende da boa utilização de seu tempo para sair do patamar de um dígito nas pesquisas. Não é incomum um candidato sair do 3º ou 4º lugar e ir para o 2º turno por ter explorou bem seu tempo no guia. Vejam o caso do prefeito Gilberto Kassab nas eleições de 2008 em São Paulo.



Sizenando Leal ficou com 1 minuto e 33 segundos. É um tempo escasso, mas para os fins que ele pretende pode ser suficiente. Com esse tempo dá para dizer muita coisa. Quem se esqueceu do famoso caso “meu nome é Enéas”? Tatiana Medeiros e sua “Coligação Campina Segue em Frente” obteve 6 minutos e 42 segundos. Não é um tempo pequeno, se considerarmos que Tatiana deverá utilizá-lo bem mais para falar dos feitos do governo Veneziano do que propriamente de suas propostas de governo.



Já a Coligação Por Amor a Campina, de Romero Rodrigues, obteve o maior tempo. São longuíssimos 9 minutos e 3 segundos. Isso pode ser pouco e pode ser muito. Depende do candidato, da produção do programa e de algumas outras condições de temperatura e pressão.



Se o caro ouvinte quer saber se é melhor sobrar ou faltar tempo, eu não saberia dizer. Mas, não esqueçamos que o cidadão/eleitor/espectador tem ao alcance da mão o poder de fazer o candidato se calar, pelo menos até o próximo programa.







GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers