DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

]



A INCRÍVEL HISTÓRIA DO PREFEITO QUE ABDICOU

Na metade da semana passada os fatos se repetiam. O PT nos tinha dado um tempo com suas confusões; PMDB e Blocão seguiam entre tapas e beijos; os candidatos de sempre faziam suas campanhas de sempre; e os mensaleiros presos perseguiam seus privilégios. De repente, não mais do que de repente, uma notícia bombástica. O prefeito do município de Cabedelo, José Mª de Lucena Fº, conhecido em todo o estado como “Luceninha”, abdicou, renunciou, ao cargo para o qual foi eleito em outubro de 2012.




Ficamos todos surpresos porque, na política brasileira, não é comum o ato de se abrir mão do poder. Pelo contrário, normal é a luta de vida e morte para se ter mais e mais poder. Responda-me o caro ouvinte, quantos prefeitos você já viu renunciar? Sempre poderemos lembrar que já tivemos um presidente da República a praticar este ato extremado. Foi Jânio Quadros, lá nos idos de 1961. Mas, Quadros não queria sair do poder. Pelo contrário, ele estava tentando dar um golpe.




É que o tiro saiu pela culatra. Mas, isso é outra história. Voltemos à  renúncia de Luceninha. O caro ouvinte poderá, ainda, lembrar que nos últimos anos tivemos vários casos de políticos que renunciaram aos seus mandatos eletivos. Na verdade, foram estratégias de pessoas, com hábitos não republicanos, para fugirem de cassações eminentes. Temos, por exemplo, os casos de Jader Barbalho, de Joaquim Roriz e do mensaleiro Valdemar Costa Neto. Mas, essa, também, é outra história.




A renúncia de Luceninha casou estranheza pelas condições favoráveis que ele dispunha. Aparentemente, não havia motivos para ele deixar a prefeitura de Cabedelo. Do ponto de vista político-partidário-eleitoral ele tinha a faca e o queijo nas mãos. Luceninha foi eleito em outubro de 2012 com 78% dos votos válidos. Foram 21.847 votos. O segundo colocado, Wellington Brito, teve parcos 21% dos votos válidos. Uma votação dessas oferece bastante legitimidade ao prefeito eleito.




Foi assim que Luceninha conseguiu derrubou a Lei Complementar nº 36, aprovada na gestão anterior a sua, que reajustaria o IPTU de Cabedelo em cerca de 2.000%. Claro, a população gostou do ato e passou a apoiá-lo mais ainda. Em julho, Luceninha fez aprovar na Câmara Municipal a redução dos salários dos secretários municipais e dos servidores que assumiram cargos comissionados por oito anos e ganharam na justiça o direito de incorporar gratificações aos seus salários. Ele justificou tal atitude com um argumento imbatível. Dizia que a redução era necessária para que se realizassem obras de infraestrutura que a cidade tanto precisava. Na saúde, Luceninha vinha reformando e entregando Unidades de Saúde da Família.




Com 100 dias de governo, ele anunciou que Cabedelo não mais constava do Cadastro Único de Convênios – que é a lista das cidades caloteiras que o Governo Federal consulta para liberar recursos e celebrar convênios com municípios brasileiros. Até aqui, Luceninha já tinha liberado quase R$ 28 milhões para Cabedelo. Então, a pergunta não pode calar. Porque um prefeito tão bom iria renunciar? Porque se abrir mão do poder quando ele é o objeto de desejo de 10 entre 10 políticos brasileiros?




Com essa votação, e com tantas ações, que eleitor aceitaria que seu prefeito renunciasse? Luceninha contava com o apoio de 14 dos 15 vereadores de Cabedelo. Apenas um não fazia parte de sua bancada, o que não quer dizer que fosse contra. Luceninha não tinha dificuldades para fazer aprovar projetos na Câmara Municipal. E tem mais, ele foi eleito numa coligação composta por nada mais nada menos do que 19 partidos. Algo para deixar os prefeitos paraibanos roxos de inveja.



 



Talvez, por aí se explique a questão. É que com tantos aliados, as demandas crescem. Luceninha montou um governo de coalizão, sendo apoiado pela maioria esmagadora. Na política, é ruim não ter aliados. Mas, ter aliados demais não é das melhores coisas. O fato é que não temos o hábito de nos juntarmos por ideias e convicções políticas. No Brasil, o costume é o de se ligar ao governo para fazer parte da farta distribuição de benesses, favores, cargos, empregos e, porque não, de alguns milhares de Reais. A regra básica da política brasileira é que não se pode deixar de agradar aos aliados. Seguimos fielmente a ideia de Getúlio Vargas de que devemos dar tudo aos aliados e, aos adversários, dispensar tão somente os rigores da lei.



Salvo melhor juízo, Luceninha foi vitima de sua composição. As pressões foram tantas e de tal ordem que ele não suportou e preferiu se afastar. Disse ele que a “glória do poder traz sabores inimagináveis, mas que tarefas árduas rondam a cadeira cobiçada”. Jânio Quadros disse que renunciou porque forças terríveis se levantaram contra ele. Será que a árdua tarefa de Luceninha eram exatamente lutar contra as forças terríveis que rondavam a prefeitura de Cabedelo?


Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.



Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers