segunda-feira, 4 de novembro de 2013

A NOSSA GUERRA CIVIL DE CADA DIA




Estamos iniciando o penúltimo mês do ano e contabilizando 154 homicídios em Campina Grande. Em 2011 tivemos 182 pessoas assassinadas em nossa cidade e em 2012 foram 176 homicídios. Se até o dia 31 de dezembro mais 22 pessoas forem assassinadas igualaremos a marca de 2012. Se tivermos mais 28 homicídios vamos empatar com 2011. Apesar de que, nada impede que 2013 seja o campeão neste macabro ranking.



Pela evolução dos números e pela notável ausência de políticas públicas na área de segurança da Paraíba nada impede que cheguemos ao final de 2013 bem próximos dos 200 casos de homicídios em nossa cidade. Não que eu esteja torcendo por isso, pelo contrário, esta COLUNA POLITICANDO é mais uma forma de protesto contra este estado de coisas do que um simples levantamento de números. Mas, vamos analisar a questão de perto.



Primeiro é preciso que se diga que esses números não são absolutos, pois existem os casos de homicídios que não chegam ao conhecimento das autoridades policiais e muito menos ao conhecimento da imprensa para que possam ser divulgados. E existe a chamada subnotificação. São os casos em que o indivíduo morre das consequências causadas pela tentativa de assassinato. É quando a pessoa é atingida por um tiro e vem a falecer no hospital devido a uma hemorragia ou uma infecção.



Em relação aos dados, a Secretaria de Segurança Pública do Estado da Paraíba nos revela algo pelo qual devemos nos preocupar. Delegados da Polícia Civil e promotores públicos detectaram que o número de homicídios por motivos fúteis aumentou. Numa entrevista a equipe de Jornalismo da Campina FM a delegada Cassandra Duarte afirmou que se percebeu um aumento significativo nos homicídios motivados por motivos fúteis e banais. A delegada disse que entre 2010 e 2012 quase 60% dos casos de homicídios foram motivados por questões relacionadas ao tráfico de drogas e que neste ano de 2013 se verificou um aumento nos casos de homicídios por motivos banais. Também, se verificou uma diminuição nos casos de homicídios causados pelo tráfico de drogas.




Essa informação não quer dizer que os traficantes ficaram bonzinhos e resolveram matar menos. Ela parece nos dizer que nossas instituições coercitivas tem conseguido mais sucesso no combate ao tráfico de drogas e aos crimes relacionados a ele. Mas, essa informação revela um dado alarmante e preocupante. É que se o número de homicídios motivados por causas banais ou fúteis aumentou é porque nós, sociedade civil, ficamos mais violentos, mais intolerantes, menos pacíficos e menos pacientes para com os problemas do dia-a-dia.



A delegada Cassandra Duarte afirmou que nos dias de hoje, em Campina Grande, se mata por qualquer coisa. Por causa de R$ 10,00, por uma pedra de crack, por uma discussão no trânsito ou por uma briga qualquer num bar ou numa festa. Sabemos que a maioria das brigas, que redundam em homicídios, ocorre em festas e bares e que a maioria dos crimes são cometidos contra jovens entre 18 e 25 anos. Sabemos, ainda, que a maior ocorrência desses crimes se dá nos muitos feriados prolongados que temos.



Outro dado para nos tirar o sono é que a cada ano que passa mais mulheres jovens são assassinadas em Campina Grande. Em 2012 tivemos mais mulheres assassinadas por crimes passionais do que por crimes relacionados ao tráfico. Mas, que não se pense que Campina Grande é a exceção em relação ao Brasil. Nossa cidade não contraria a regra nacional. O Anuário Estatístico do Fórum Brasileiro de Segurança Pública nos informa que tivemos em 2012 50 mil mortes por assassinato.



Foi um aumento de 7.6% em relação a 2011. Nos 10 anos em que os EUA estiveram em guerra contra o Vietnã morreram 52 mil soldados norte-americanos. Perdemos por ano o que os EUA perderam em uma década e mesmo assim porque estavam em guerra. As projeções da Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP) dão conta que devemos superar em algo em torno de 8.5% os números de 2012. Ou seja, é possível que cheguemos a quase 55 mil mortos por homicídios no Brasil em 2013.



Mas, a questão não é se vamos ter (em 2013) 20, 30 ou 40 assassinatos a mais ou a menos do que em 2012. A questão não é se a meta estipulada pela Secretaria de Segurança Pública da Paraíba, para que se diminuam os homicídios, vai ser cumprida. A questão é: qual a política pública relevante do governo do Estado para que se mate e se morra bem menos na Paraíba? Enquanto os governantes estiverem mais preocupados com as estatísticas do que com o bem estar do cidadão vamos continuar matando como se estivéssemos numa guerra civil.




Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.



Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Postagens populares