DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

terça-feira, 17 de junho de 2014

A ARMADA DE BRANCALEONE CONTINUA NAS RUAS


Quinta-feira, 12 de junho, mais de 1 bilhão e meio de pessoas, no mundo inteiro, se postaram diante das televisões para assistirem a transmissão da solenidade de abertura e do primeiro jogo da Copa da FIFA. Esta foi uma das maiores audiências da história. Enquanto isso, manifestantes protestavam contra a Copa da FIFA no Brasil. Em pelo menos 06, das 12 cidades-sede da Copa do Mundo, houveram protestos com bombas de gás lacrimogêneo, balas de borracha, pessoas feridas e manifestantes detidos. Em São Paulo, a Polícia Militar usou da truculência de sempre, com bombas de efeito moral e cassetetes, para dispersar manifestantes numa estação de metrô próxima ao Itaquerão, onde a seleção brasileira jogaria logo depois.

Em Porto Alegre, manifestantes tentaram se aproximar do local da FIFA Fan Fest, mas a Polícia Militar não permitiu e várias pessoas foram detidas. Os que foram presos, e não foram logo liberados, sofrerão pesadas punições. É que de acordo com a Lei Geral da Copa, aprovada a toque de caixa pelo Congresso Nacional, eles deverão ser enquadrados na Lei de Segurança Nacional, instrumento antigo dos tempos da ditadura militar, por crime contra a pátria. Os manifestantes gaúchos picharam muros dizendo: "FIFA go home", i.e., FIFA vá embora. Eles quebraram vidraças de bancos e do McDonald's, patrocinador da Copa. Em Porto Alegre as manifestações são convocadas pelo “Comitê Popular da Copa”.

Em Fortaleza não foi diferente. Manifestantes tentaram invadir a “FIFA Fan Fest”. Em Brasília tentaram fazer um “catracaço” na estação de metrô da Praça do Relógio. “Catracaço” é quando as pessoas pulam as catracas e entram nos trens sem pagar. Mesmo com palavras de ordem contra a realização do Mundial, membros do Comitê Popular da Copa disseram que estam protestando contra o fato de pessoas terem sido removidas, a força, de seus locais de moradia por causa de obras para a Copa. Já no sábado, a Polícia Militar mineira prendeu dez pessoas com coquetéis molotov. Enquanto Colômbia e Grécia se enfrentavam no Mineirão, cerca de 200 pessoas protestavam contra a Copa do Mundo na Praça Sete, no centro de Belo Horizonte.

Eu vi uma foto, tirada na manifestação de São Paulo, que exemplifica a atual situação dos protestos. Nela se vê um jovem, sem máscara e com uma bolsa às costas, com os braços levantados e as mãos espalmadas como se estivesse pedindo calma. Bem a sua frente, numa distância de uns 2 metros, se vê um grupo de uns 10 policiais com aquela roupa especial contra choques urbanos. Os policiais portam escudos e um deles tem uma arma apontada em direção ao jovem manifestante. Eu tentei imaginar o que poderia se passar na cabeça do jovem manifestante para agir daquela forma. Lembrei a famosa foto do jovem chinês, postado à frente de vários tanques de guerra, quando dos protestos da Praça da Paz Celestial (1989) em Pequim.


 Mas, logo em seguida, lembrei um filme que assisti quando era estudante do Curso de História na UFPB. Chamava-se “O incrível exército de Brancaleone”. Ele foi produzido em 1966, na Itália, e foi dirigido por Mario Monicelli. A história se passa no ano 1.000 d.C., quando um cavaleiro francês é assassinado por bandoleiros, depois de sair em busca de suas terras. Os bandoleiros decidem encontrar as terras para delas tomar posse. Para isso, precisam de alguém que finja ser cavaleiro. É aí que entra o atrapalhado Brancaleone. Ele passa a liderar um pequeníssimo exército de homens esfarrapados, esfomeados e quase sem armas, que vão perambulando pela Europa em busca da terra prometida e de aventuras.

Tal qual os manifestantes brasileiros, contrários a Copa da FIFA, a pequena armada de Brancaleone enfrentava a tudo e todos.  Eles lutavam contra a peste negra, contra os sarracenos e os bizantinos, além de guerrearem contra outros grupos de bandoleiros. Este filme fez sucesso, tanto é que sempre que uma pequena minoria, estabanada e desorganizada, resolve lutar contra uma maioria organizada, e forte o suficiente para não se sentir ameaçada, logo se chama essa minoria de “exército de brancaleone”. Longe de achar que os manifestantes não têm lá suas razões, e convencido de que eles tem o sagrado direito de se expressarem, mas não de depredarem um bem público ou privado que seja, me parece que eles deveriam, também, assistir a Copa da FIFA.

É que eles cumpriram um papel político dos mais interessantes. Com suas manifestações, contribuíram para que a sociedade brasileira tivesse um razoável senso critico sobre os problemas que enfrentamos por causa da Copa da FIFA. Mas, a Copa está acontecendo. Lutar contra ela é a mesma coisa de querer impedir que o sol nasça ou se ponha. Essas manifestações terminam soando falso, pois a Copa é o futebol, e o futebol está em nossa alma. É uma expressão de nossa cultura. Talvez, este fosse o momento dos manifestantes de Brancaleone se resguardarem, para outro momento, onde a Copa não poderá ser usada como justificativa para rebeldias de toda sorte. Talvez este seja o momento de vibrar com o maior espetáculo da terra -  o futebol.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers