sexta-feira, 13 de junho de 2014

SOBRE FACTOIDES E BALÕES DE ENSAIO


Em 1995, o então prefeito do Rio de Janeiro, Cesar Maia, deu uma entrevista onde confessou, sem maiores pudores, que: “fatos que tenham conteúdo não têm a menor importância. O que eu faço é lançar factoides no realismo delirante”. Cesar Maia chegou mesmo a dizer que “estava careca de inventar factoides”, pois esta seria uma ótima maneira de sempre sair, com destaque, nos jornais. Por fim, Maia ainda lançou uma espécie de conceitualização do factoide. Disse ele que factoides são “ideias que você arremessa, com certa base de realidade, embora sem grandes possibilidades de serem realizadas, diferente do simples delírio, que é pura fantasia”. O factoide pode ser uma meia verdade ou uma meia mentira.

O que ele não pode é ser uma verdade completa ou uma mentira deslavada, já que sua função é testar algo que ainda poderá acontecer. O factoide é como uma caricatura que mesmo representando o real, se mostra com algumas distorções e exageros. Na política, o factoide deve funcionar como um balão de ensaio. Neste caso se antecipa a divulgação de um fato, com o objetivo de verificar reações diante daquele dado novo. É quando se quer ter alguma certeza sobre a aceitação do que se pensar em fazer. Claro, se a reação ao factoide não for favorável, não se lança o fato. Divulgar algo em forma de factoide serve para preparar o espírito dos que vão receber a notícia. Um bom exemplo disso foi no acidente que vitimou Juscelino Kubitschek. Uma semana antes da morte do ex-presidente se fez circular o boato de que ele havia falecido.

A ideia era aferir como a população reagiria à notícia. Fernando Collor abusava dos factoides. Quem não lembra o patético presidente andando em tanques de guerra, voando em jatos ou se embrenhando na floresta amazônica com roupa camuflada? Na semana passada, um site, aparentemente dedicado ao jornalismo, divulgou um desses factoides. Chegava eu aos estúdios da Campina FM, para gravar mais uma COLUNA POLITICANDO, quando me deparei com a notícia tipo arrasa quarteirão. A manchete era: “PMDB e PSB se unem contra Cássio e chapa terá Coutinho, Veneziano e Maranhão”. A notícia dava conta que uma radio de João Pessoa já havia divulgado tudo. O “furo” jornalístico teria sido revelado por um assessor do ex-prefeito Veneziano.

Claro, não precisou muito para que eu entendesse que aquilo era, sim, um factoide. Era uma dessas notícias plantadas para se verificar a sensibilidade da audiência. A tentativa foi até divertida, mas o autor do factoide exagerou na dose e ninguém acreditou. Este foi um factoide tradicional. Sua meia mentira, é que o governador Ricardo Coutinho jamais aceitaria ter Veneziano como vice e José Maranhão como candidato a senador. Ricardo sabe bem que num cenário desse ele seria anulado em dois tempos. Sem contar que este cenário é falso por não envolver o PT que, como sabemos, está atado ao PMDB, principalmente agora que sua convenção nacional cerrou de vez a aliança que vem se mantendo desde os tempos do governo Lula.

Mas, a meia verdade desse factoide é que, sim, o PMDB tem conversado bastante com o PSB de Ricardo Coutinho. Aliás, o PMDB paraibano vem sendo cortejado por todos aqueles que pretendem chegar ao 2º turno das eleições.  O PSDB de Cássio Cunha Lima já ofereceu tudo que pode ao PMDB vislumbrando uma chapa que colocaria lado a lado os maiores capitais eleitorais da Paraíba. Mas, o PMDB leva consigo o PT que, pelo menos na Paraíba, pouco ajuda e muito atrapalha. O fato é que estamos dentro do período das convenções partidárias. Da terça-feira, dia 10, até o próximo dia 30 é o prazo para que os partidos políticos decidam suas candidaturas majoritárias e proporcionais.


Serão longuíssimos 20 dias onde tudo pode acontecer, tudo mesmo. PSDB, PMDB, PT, PTB, PP, enfim, quase todos os partidos deixaram para fazer suas convenções ao apagar das luzes do prazo estipulado pela Justiça Eleitoral. É que ninguém quer perder oportunidades de fazer suas articulações e barganhas. Sem contar que ninguém vai querer revelar suas estratégias prematuramente. Os dias 29 e 30 de Junho prometem ser agitados no eixo João Pessoa/Campina Grande. A questão é que os partidos precisam definir seus aliados para montarem suas coligações, mas precisam, também, aparar suas arestas internas. Cássio tem que convencer Cícero Lucena a desistir de sua postulação ao Senado Federal.

Ricardo Coutinho precisa convencer Rômulo Gouveia a ficar onde está. É que o governador sabe que sem um vice de Campina Grande suas chances caem assustadoramente. Mas, Rômulo quer deixar de ser vice, quer ser senador da República. Veneziano tem que convencer os petistas de que a vaga de candidato a senador, em sua coligação, deve ser dada a um partido que venha a somar tempo. Na verdade, Veneziano tem a árdua tarefa de pacificar o PT em torno de sua candidatura. Como se vê, sobram variáveis a se resolverem. As mesas de negociação estam funcionando 24 horas por dia. Nesses 20 dias tudo pode acontecer. Sugiro ficarmos de olho nos factoides que podem ainda surgir, principalmente em suas meias verdades
Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES
Este é o "museu de grandes novidades" do qual nos falava Cazuza. Ante-sala do gabinete do Reitor da Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande.

Siga-me por Email

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers

Marcadores