quinta-feira, 26 de junho de 2014

SOBRE ALIANÇAS E TRAIÇÕES.


Em um episódio de “A vida como ela é”, o escritor Nelson Rodrigues afirmou que “só o verdadeiro inimigo nunca trai”. Já o filósofo italiano Nicolau Maquiavel aconselhava que, na política, deve se cuidar do aliado tanto quanto se cuida do adversário. Hoje, a política paraibana gira em torno de alianças, traições e relações entre aliados e adversários. Aliás, a evolução dos fatos nos mostra que a diferença entre ser partidário e ser rival é a mesma que existe entre o encarnado e o vermelho, i.e., nenhuma. Acompanhando os fatos eu diria que é melhor ter um ou dois adversário na mão do que vários aliados voando. Na pequena e heroica Paraíba, o aliado de hoje poderá, deverá, ser o adversário de amanhã, sendo a recíproca absolutamente verdadeira.

Contando com hoje, 26 de junho, e com boa parte do próximo dia 30, ficam faltando cerca de 110 horas para que atores e partidos políticos definam suas coligações, visando às eleições majoritárias e proporcionais de outubro. Até o próximo dia 30, todo minuto será útil. PSB, PSDB e PMDB, os três grandes partidos envolvidos no processo, ainda não definiram claramente seus candidatos a governador, vice-governador, senador, além dos deputados estaduais e federais. Vamos por partes. Primeiros às raras certezas. Ricardo Coutinho e Cássio Cunha Lima são candidatos ao governo do Estado, mesmo que tenhamos que considerar se o senador Cássio é ou não elegível. Mas, deixemos essa questão um pouco mais para adiante.

Os partidos ainda dispõem, como se estivessem em um leilão, de vagas para as eleições majoritárias e proporcionais. A questão é quem vai dar o maior lance. Aliás, as vagas para deputado federal devem servir de prêmio de consolação para muitos. Vejam o caso do vice-governador Rômulo Gouveia que muito lutou para ser candidato ao senado, mas que deve terminar desistindo para que o PSB, de Ricardo Coutinho, possa ampliar seu arco de alianças com outros partidos. Rômulo sairá desgastado desse processo, pois deixou o grupo liderado por Cássio, ao qual sempre pertenceu, e hoje já é tratado como traidor. Rômulo ficou do lado de Ricardo, após o fim da aliança entre PSDB e PSB, e esperava reciprocidade.

Ele queria que Ricardo agisse como aliado, mas neste caso, como em tantos outros, o governado mais parece um adversário. Para aumentar as dimensões de seu palanque, tem tratado aliados como adversários e rivais como se fossem velhos amigos. Aliás, não só ele. Na Paraíba, os políticos podem vir a ser amáveis aliados ou fervorosos adversários dependendo do que se ofereça, que o digam Wilson Santiago, José Maranhão, Aguinaldo Ribeiro, Wellington Roberto, Leonardo Gadelha, etc, etc, etc. O fato é que o PSB precisou dispor as vagas para senador e vice-governador para atrair o PMDB. Rômulo, então, sobrou na curva. Deverá ter que se contentar com uma postulação à Câmara Federal ou, pior, refazer o caminho de volta ao grupo cassista.

No PSDB não é diferente. Cícero Lucena viu seu partido se despir da fantasia de aliado. Para atrair um partido de peso, como PTB, PSC, PP ou mesmo PMDB, Cássio e seu grupo passaram a tratar Cícero como adversário.  Aliás, Cícero foi o primeiro a sobrar na curva. Se ele conseguir se candidatar a deputado federal deve se dar por bastante satisfeito. O mais interessante desse processo é mesmo o papel do PMDB e de seu, ainda, pré-candidato a governador Veneziano Vital. Todos os movimentos políticos do momento passam pela mãe de todas as decisões que é se o PMDB terá ou não candidatura própria ao governo do Estado. PSB e PSDB trabalham incansavelmente para atrair o PMDB para suas composições.


 Ao PMDB tem se oferecido de tudo. Tanto Ricardo como Cássio aceitam que o PMDB indique nomes para o senado e/ou para vice-governadoria. Aqui não importa apenas ter o PMDB, trata-se de impedir que o PMDB vá para o lado do real adversário. Neste caso alguém está blefando, pois lideranças do PSDB e do PSB apontam para a possibilidade de composição com o PMDB. Sempre lembrando que quem se aliar ao PMDB leva o PT. É uma promoção: pague por um e leve dois.  Mas, para que isso tudo aconteça é preciso combinar com os russos que neste momento atendem pelo nome de família Vital do Rêgo. A batalha neste momento é fazer Veneziano desistir de sua postulação ao governo.

A pré-candidatura de Veneziano sofre ataques especulativos de todos os lados, inclusive de setores do próprio PMDB. Neste sentido, o PT tem feito esforços sobre humanos, pois quer continuar junto com o PMDB, mas sem a candidatura de Veneziano. Neste jogo interessa ver como os atores políticos estam dispostos a tudo, tudo mesmo, para viabilizarem a melhor composição possível. Neste jogo unir ou afastar, aliar ou trair, são as faces de uma mesma moeda. A ética a ser seguida é a da traição e/ou da união sem que existam claras definições dos significados desses conceitos. Os políticos paraibanos fizeram uma mudança no dicionário e tratam união e traição como se fossem sinônimos. Aqui, ter um aliado significa quase nada até que se bata o martelo no final do dia 30 de junho.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com
AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES
Este é o "museu de grandes novidades" do qual nos falava Cazuza. Ante-sala do gabinete do Reitor da Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande.

Siga-me por Email

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers

Marcadores