sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

MANDELA DAY, MANDELA FREE.


Faleceu ontem, aos 95 anos de idade, o Prêmio Nobel da Paz Nelson Mandela. Mas, quem foi Nelson Mandela? Eu poderia dizer muitas coisas para defini-lo, mas, por enquanto, basta dizer que ele foi um dos maiores líderes políticos de nossa era. Sim, Mandela foi um líder politico. Mas, ele não foi um líder político qualquer. Por tudo que fez e passou, Mandela se tornou um símbolo de luta para os que são perseguidos e oprimidos seja lá por qual estrutura de poder e/ou governo for. Mandela não foi um homem de todas as causas, ele não tinha essa pretensão ou arrogância. Mandela foi o homem da causa da liberdade e da igualdade. Essas coisas que nós ainda não aprendemos como colocar em prática.

Mandela nasceu em 1918 num vilarejo na África do Sul. Seu pai era o chefe desse vilarejo e foi por isso que ele pode estudar.  Em 1939, Mandela foi cursar artes na Universidade de Fort Hare. Mas, logo foi expulso por causa de seu ativismo político. Depois ele se formou em Direito, para se tornar um advogado militante na causa dos Direitos Humanos. Em 1941, Mandela conheceu Walter Sisulu, seu amigo pessoal pela vida toda, e seu mentor na luta contra o “apartheid” – a política de segregação racial implantada pelo governo sul africano em 1948. Mandela dizia que Sisulu tinha uma mente independente. Assim, o obrigava a ver todo e qualquer problema por vários ângulos. Mandela nunca foi unilateral. Eu ouso dizer que ele foi o único líder do século XX a ter um pensamento verdadeiramente livre de amarras políticas, ideológicas, religiosas e culturais.

Teve uma época que se tentou comparar Mandela a lideres como o russo Vladimir Ilitch Lenin, o francês Charles de Gaulle, o chinês Mao Tsé-Tung, o cubano Fidel Castro, mas Mandela foi maior e melhor do que todos eles juntos. E sabe por quê? Porque ele não queria o poder para si próprio e porque, ao contrário desses homens que citei, ele não quis ser um ditador, mesmo tendo todas as chances possíveis. Mandela foi uma liderança política sem pasta, sem governo, durante quase toda a vida.

O desapego de Mandela para com as estruturas de poder era tal que ele foi eleito presidente da África do Sul, em 1994, cumpriu um mandato de cinco anos, não quis à reeleição e se aposentou. O que ele fez? Criou uma ONG para lutar contra a AIDS. Em 1942 Mandela participava de reuniões do Congresso Nacional Africano – grupo multirracial que lutaria contra o “apartheid”. Em 1948 as coisas pioraram. O Partido Nacional subiu ao poder e implantou a política de apartheid.

Por essa politica, brancos e negros não conviviam nos mesmos espaços. Não sentavam juntos em restaurantes, ônibus e bancos de praças. O casamento inter-racial era proibido. E, acreditem, negros e brancos não podiam se tocar em público. Em 1955 o CNA criou o Congresso do Povo e lançou a Carta da Liberdade, escrita por Mandela. Em 1958, Mandela presidia a Liga Jovem do CNA e liderou campanhas contra leis do “apartheid”. Foi preso, junto com 19 colegas, e condenado a trabalhos forçados.  Em 1960 ele foi absolvido e entrou para a guerrilha. Nessa época, era moda usar a violência para se lutar por ideais. Mas, Mandela via nisso apenas uma forma de luta. Ele era consciente que usar a violência em busca de ideais só gera poderes autoritários.

Em 1964 Mandela, e mais sete colegas, foram acusados de sabotagem, traição, subversão e tantas outras coisas que aos olhos do regime do “apartheid” eram crimes gravíssimos. Eles foram presos e condenados à prisão perpétua. Mandela foi preso na Ilha de Robben. Lá ficou em regime fechado por 18 anos, onde não tinha nome e era conhecido pelo número 46.664. Uma tentativa do regime separatista de acabar com sua liderança política. Não deu certo.

 

Em 1982 ele foi transferido para a prisão Pollsmoor, onde ficou preso por mais nove anos. Enquanto Mandela vivia encarcerado, crescia sua liderança e o mundo mudava. Mandela soube usar o silêncio que lhe impuseram como arma política. Deu certo. Em 1990, o CNA foi refundado e se tornou um partido. Em 11 de fevereiro desse ano, Mandela foi, finalmente, solto. Após 27 anos de prisão, com 72 anos de idade, ele saiu daquela prisão, de mãos dadas com sua esposa, com o punho e a cabeça erguidos.

Eu lembro bem dessas imagens fantásticas. Mandela caminhava, sorrindo, com uma multidão em sua volta. Mandela estava altivo, orgulhoso. Os que o encarceraram por tanto tempo sentiam vergonha e se escondiam. Mais tarde, Mandela disse, com a simplicidade e clareza de sempre, que: “Eu não tinha nenhuma crença, a não ser que a causa era justa, era muito forte e estava ganhando cada vez mais apoio". Simples assim. Sem discursos longos, sem pompas, sem circunstâncias.

Eleito presidente da África do Sul, Mandela apaziguou os 11 grandes grupos étnicos que habitam o país. Ofereceram-lhe implantar uma ditadura, ele rejeitou. Propuseram-lhe quantas reeleições quisesse, ele dispensou. Queria apenas coordenar a transição do processo político. E o fez tão bem que ganhou o prêmio Nobel da Paz. Mandela era o homem dos pequenos grandes gestos. O melhor, o mais belo de todos em minha opinião, foi vê-lo dançando alegremente quando de sua posse como presidente da África do Sul. VIVA MANDELA!

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com


AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.



Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Postagens populares