quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

PT X PSDB: UM “FLA-FLU” SEM FIM.




Existe uma ideia corrente em nosso meio que defende que o melhor mecanismo para se ter cada vez mais participação política é a consolidação de um sistema multipartidário. É que muita gente pensa que o cidadão só participa se estiver filiado a um partido.  Por uma lógica formal, eu diria matemática, se pensa que quanto mais partidos tivermos, mais pessoas farão parte do processo decisório. Mas, em países desenvolvidos, a democracia não se consolida pela quantidade de partidos que possui. É qualidade do sistema partidário de um país que faz seu sistema representativo ser cada vez mais democrático.  A ideia de que o cidadão deve se envolver no sistema partidário, para poder influir nas decisões, não faz parte de nossa cultura política.




Se em nosso sistema político existissem 4 ou 5 partidos com identidade, talvez pudéssemos valorizar mais esse sistema multipartidário que temos. Se tivéssemos partidos bem ajustados social e institucionalmente as coisas poderiam ser diferentes. O que temos é um amontoado de siglas de vida fácil, desideologizadas, que se criam para atender interesses de chefes políticos regionais com projeção nacional. Hoje, temos 32 partidos políticos. Será que precisamos mesmo de tudo isso? Essa quantidade exorbitante de partidos pouco nos serve. Praticamos um multipartidarismo de três cabeças. Temos três grandes partidos dominando a cena política e um sem número de siglas gravitando em torno de PT, PSDB e PMDB.




Somos, hoje, reféns de uma polarização que não se orienta pelo debate político, governamental ou ideológico. Vivemos um bipartidarismo envergonhado, acabrunhado, onde PT e PSDB se batem para ver quem, claro, ganha mais eleições. Essa polarização está sufocando o processo político eleitoral. Em torno dela gravitam cerca de 20 partidos, todos sem identidade, vivendo em função dos cargos e favores que recebem dos governos que apoiam.



Há muito que PT e PSDB não mais se batem em torno de ideias e programas políticos. Estes dois partidos passam os dias trocando acusações mútuas sobre escândalos de corrupção que seus atores políticos praticam sem parar. A verdade inquestionável é que PT e PSDB são pouco diferentes. Para o bem e para o mal eles tanto se parecem que não é incomum nas eleições vermos pessoas confusas em quem votar por não perceber diferenças acentuadas. Ambos aceitaram o compromisso com a estabilidade econômica, advinda do Plano Real. Ambos se atêm a essa agenda moralista que não se retroalimenta. O PSDB atira o caso do Mensalão na cara dos petistas e estes retrucam com o caso dos trens de São Paulo.




De escândalo em escândalo, PT e PSDB vão tentando surrupiar capitais eleitorais de seus adversários. Não percebem que isso é um jogo de soma zero. Como as acusações de corrupção são mútuas, então todo mundo é corrupto, são todos iguais. Lula, Dilma e o PT não querem admitir erros como o fato de praticarem uma política econômica baseada no consumo e, portanto, inflacionária. FHC e seus liderados do PSDB não perdem tempo em explorar o mensalão petista. Mas, não deveriam, por terem um telhado feito de um vidro bem fino. Afinal, o STF deve vir a julgar o mensalão mineiro em 2014. FHC e Lula vivem às turras para ver quem criou o que; para ver quem é o criador desse ou daquele programa assistencialista.




Não percebem que ao fazerem isso se igualam e não se diferenciam. A diferença clara é que Lula elegeu seu poste, depois de oito anos no poder. Já FHC, que também cumpriu dois mandatos, viu seus postes serem derrubados três vezes seguidas. Ano que vem teremos eleições presidências e completaremos 20 anos da polarização estulta entre PT e PSDB. Foi em 1994, quando Lula e FHC se bateram pela primeira vez, que eles entenderam que um não viveria sem outro.



Mesmo que Eduardo Campos e Marina Silva estejam se apresentando como alternativas a essa polarização, Dilma e Aécio devem reforçar a necessidade de se reeditar o velho embate, é confortável para os dois que assim seja. Mas, o problema é que eles não conseguem sair do lugar comum da luta contra a corrupção, da disputa sem freios para ver quem mais acusa quem de ser corrupto. Aos olhos do mercado, inclusive, PT e PSDB servem aos mesmos propósitos.



Ancorar campanhas eleitorais numa espécie de pugilato moral é ruim para a sociedade que fica sem parâmetros para julgar que tem o melhor projeto. E é ruim, também, para ambos que, ao final de tudo, se igualam pelos defeitos, não pelas virtudes. Criminalizar e/ou judicializar a política tem um efeito desvastador sobre a já frágil democracia brasileira. PT e PSDB fariam grande favor, a sociedade brasileira, se parassem de praticar esse FLA X FLU sem fim.


Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com
AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.



Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Postagens populares