DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

sexta-feira, 4 de julho de 2014

E O FUTEBOL SALVOU A POLÍTICA



Que a política partidária eleitoral não vive sem o futebol, nós já sabemos. O futebol é que poderia viver bem sem ingerências políticas. A crise sem precedentes que vemos no futebol brasileiro está irremediavelmente relacionada aos seus dirigentes. Ou, dito de outra forma, o futebol brasileiro subsiste apesar dos governos e dos cartolas. Não deixa de ser sintomático que, em meio a um futebol tão desgraçadamente desorganizado, esteja acontecendo uma Copa do Mundo das melhores que já tivemos. Independente disso, governantes seguem se servindo do futebol para maximizarem seus interesses e isso não só no Brasil. A presidente do Chile, Michelle Bachelet, chegou a atrasar uma viagem, que faria aos EUA, só para receber a Seleção Chilena de Futebol.

E vejam que o Chile foi desclassificado nas oitavas de final naquele jogo em que tivemos que ir até os pênaltis para ganhar a vaga nas quartas de final. A presidente recebeu os jogadores como verdadeiros heróis e posou sorridente para vários "selfies". O presidente Barack Obama, que deve entender tanto de futebol como eu entendo das órbitas estáveis dos elétrons, foi visto assistindo a um dos jogos da Seleção dos EUA. Inclusive, ele ligou para o hotel onde os jogadores americanos estavam aqui no Brasil. Circula por aí um vídeo em que Obama conversa com o goleiro Howard e o meia Dempsey. É a velha história de posar ao lado dos heróis como forma de ganhar dividendos políticos. Eu lembrei de histórias futebolísticas da ditadura militar.

Conta-se que na Copa do Mundo de 1970, no México, quando o Brasil foi Tricampeão, o general-presidente Emílio Garrastazu Médici ligava, após cada um dos jogos, para a concentração da seleção e fazia questão de falar com vários jogadores. Inclusive, numa dessas ligações, o ditador-presidente quis falar com o ponta-esquerda Paulo Cézar Caju que teria se recusado ir ao telefone. Por causa disso, ele quase foi cortado da seleção e andou sofrendo algumas perseguições após a Copa do México. Agora mesmo temos uma pesquisa do Datafolha mostrando as influências do futebol sobre a política, sendo a recíproca, infelizmente, verdadeira. O Datafolha quis saber se e como a Copa do Mundo esta mexendo com o humor do brasileiro.

O cara ouvinte não se surpreenda, mas o fato é que a Copa do Mundo melhorou o humor dos brasileiros. Ela influenciou positivamente na avaliação do governo Dilma. Tem mais, todos os candidatos a presidente estam pontuando mais nas pesquisas. Claro, isso não quer dizer que a eleição está prematuramente decidida, pois a Copa acaba daqui a 10 dias e a eleição se arrastará por longos 4 meses. Mas, notem o quanto somos volúveis quando o assunto é futebol e, principalmente, política. No início de Junho, 61% dos brasileiros diziam que a Copa prejudica País, pois retirava recursos que poderiam ser usados em serviços públicos. Há cerca de um mês e ½ atrás, 67% dos brasileiros estavam bastante irritados com a Copa do Mundo no Brasil.

Agora, de acordo com o Datafolha, temos que 63% dos eleitores são favoráveis à Copa do Mundo no Brasil. Outro dado interessante é que 60% dos brasileiros estam orgulhosos pelo fato do Mundial estar ocorrendo no Brasil. Mas, porque isso? Se a desorganização segue em alta, se os problemas externos as Arenas só se avolumam, se não vamos mesmo ter legados sociais e se, para completar, os escândalos relacionados aos recursos da Copa só aumentam, de que tanto nos orgulhamos, afinal? É que estamos tendo maravilhosos jogos de futebol na Copa. São partidas com bastante emoção, com muitos gols, e estamos vendo jogadores excelentes despontando para o futebol mundial. O fato, é que o brasileiro não pode ver uma bola rolando.

Mas, se é assim, se nos orgulhamos do espetáculo que só o futebol proporciona, então o que dizer do futebolzinho mixuruca que a Seleção Brasileira está apresentando? Fosse em outros tempos estaríamos em praça pública pedindo a cabeça do técnico da seleção. Ao que parece não somos mais lá tão apaixonados assim pela Seleção. Torcemos, sim, bastante. Até nos emocionamos, mas não me parece que vamos cair numa profunda depressão, caso o Brasil não seja hexa campeão do mundo no próximo dia 13/07. O fato é que enquanto a bola rola, os políticos vão gerando dividendos com a cultura do futebol. Dilma saiu dos 34%, nas intenções de voto, e foi para 38%. Foi a maior variação entre os concorrentes. A aprovação do governo variou positivamente, pois era 33% em maio e agora foi para 35%.



Aécio oscilou de 19% para 20%. Eduardo Campos foi de 7% para 9%, se livrando do empate técnico que vinha tendo com Pastor Everaldo. Como se vê, o brasileiro está de bom humor, pois todo mundo ganhou alguma coisa. Outro dado do Datafolha mostrou que 76% dos eleitores acham que os torcedores que xingaram Dilma, na estreia da Copa, agiram mal. É que muitos brasileiros se sentiram mal com os xingamentos, pois aquilo atingiu o tal orgulho para com a Copa do Mundo. A medida que os jogos da Copa foram ocorrendo o brasileiro foi se envolvendo. Claro, ajudaria se a Seleção Brasileira jogasse um pouco mais e melhor.  Se eu, que sou eu, estou torcendo pelo Brasil, o que dirá a presidente Dilma que pode crescer mais nas pesquisas se o Brasil crescer nos gramados.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com


AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers