DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

sexta-feira, 18 de julho de 2014

QUANDO O ASSUNTO É FUTEBOL, NÃO ESPERE MUDANÇAS.

Nelson Rodrigues foi escritor, jornalista, dramaturgo e comentarista de futebol. A especialidade dele era mesmo a palavra escrita. Nelson ia religiosamente ao Maracanã, sempre aos domingos, de terno e gravata carregando seu inconfundível guarda-chuva. Era assistindo aos jogos de futebol que ele criava o seu “personagem da semana”, para uma crônica que mantinha na revista “Manchete Esportiva”, entre 1955 e 1959. A partir de 1962, Nelson passou a assinar uma coluna diária no Jornal O Globo. Até junho de 1970, Nelson contou em suas crônicas as mais deliciosas histórias sobre o futebol brasileiro. Mas, ele não falava tanto das partidas de futebol em si. Em geral, ele falava daquilo que via no entorno dos jogos que assistia.

Não raras vezes, o personagem da semana era alguém que Nelson via no estádio. Foi ele quem batizou o torcedor da arquibancada geral de “geraldino”.  Foi Nelson que criou o personagem “Sobrenatural de Almeida”, para falar das coisas imprevisíveis do futebol. As crônicas de Nelson traziam expressões que ele criava para ilustrar situações. Certa vez ele disse, se referindo a um empate sem gols entre Brasil e Paraguai, que “a virgindade desagradável e irredutível do escore era uma humilhação para o público”. Nelson foi um romancista do futebol com tiradas do tipo: “quando Pelé apanha a bola, e dribla um adversário, é como quem escorraça um plebeu ignaro e piolhento”. Nelson foi um cientista político do futebol por entender tão bem suas relações de poder.

Ele dizia que ninguém deve se sentir culpado por gostar do futebol, pois "dentre as coisas menos importantes da vida, ele é a mais importante". É por isso que, hoje, volto a falar do futebol, pois ele tem a capacidade de explicar como somos e porque somos. Agora que a Copa do Mundo acabou, agora que temos que nos conformar que o sonho e a fantasia vendidos pela FIFA terminaram, precisamos os voltar a nossa realidade. A vexatória campanha da Seleção Brasileira na Copa criou expectativas de mudança. Após o massacre do Mineirão, setores da sociedade brasileira, inclusive o governo federal, passaram a pedir mudanças radicais na estrutura do futebol brasileiro. A CBF logo respondeu demitindo o técnico Luiz Felipe Scolari.


No Brasil, falar em mudanças no futebol é como falar em reformas na política. Os dirigentes do futebol, assim como nossos representantes, não gostam de transformação, renovação, revolução. Eles preferem preservação, manutenção, conservação. Vejam que a CBF anunciou a contratação do ex-goleiro do Flamengo, Gilmar Rinaldi, para ser o coordenador de seleções da entidade. Gilmar é empresário de jogadores de futebol. Ou seja, colocaram, literalmente, a raposa para tomar conta das galinhas. Este filme, nós já assistimos. O sujeito ganha a vida empresariando jogadores e vai ocupar um cargo na CBF. Daí, ele vai colocando seus contratantes, nas listas de convocação da Seleção Brasileira, para valorizá-los na hora de vendê-los para a Europa.

Desse jeito vamos mal, muito mal. Mas, não é só isso. Mal havia acabado o massacre do Mineirão, e os dirigentes nacionais e regionais do futebol começaram a pedir a demissão de Luiz Felipe Scolari e uma “renovação generalizada na seleção”. Mas, quem será essa gente que clama por renovação? Os arautos da mudança, que falam em novos ares, são justamente os dirigentes que se cristalizaram na estrutura do futebol, tanto na CBF, como nas federações estaduais. Os que hoje querem mudanças, são os mesmos que estão no poder a até 40 anos. Os que são diretamente responsáveis pelo caos estabelecido no futebol, agora falam que é preciso renovar. Vejamos o caso de Delfim Pádua Peixoto Filho.

Ele é presidente da Federação Catarinense de Futebol há 29 anos. No dia seguinte ao vexame da goleada de 7 X 1, ele foi à imprensa afirmar que Felipão "está obsoleto". Depois deles, vieram vários outros presidentes com discursos parecidos. Se Felipão está obsoleto o que dirá José Gama, que preside a federação de Roraima desde 1974. E que tal Carlos Orione, da federação do Mato Grosso, desde 1976? José Carivaldo preside a federação de Sergipe, desde 1990, e está em seu sétimo mandato. E não esqueçamos Rosilene Gomes que preside a Federação Paraibana de Futebol desde 1989. Inclusive, ela está afastada do cargo por "fortes indícios de irregularidades". O Ministério Público até pediu a prisão dela devido às claras evidências.

O fato é que existe uma estrutura de poder que paira acima e além do futebol. Os 27 presidentes das federações, mais os 20 presidentes dos clubes da Série A do Campeonato Brasileiro, formam o colégio eleitoral que elege o presidente da CBF. A direção da própria CBF está nas mãos do mesmo grupo desde os tempos de João Havelange, passando por Ricardo Teixeira, o Paulo Maluf do futebol, e chegando ao José Maria Marin, aquele mesmo que não pode ver uma medalha de ouro. Essa gente transformou o futebol num grande butim, uma espécie de negócio familiar. Ver esses senhores, de mentes carcomidas, falando em mudanças soa tão falso quanto o esquema tático do técnico Felipão que vimos naufragar na tragédia do Mineirão.
Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com
AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers