terça-feira, 8 de julho de 2014

ZÉ MARIA, UM NANICO CONTRA A BURGUESIA

Para o bem e/ou para o mal, temos sempre muitos candidatos nas eleições presidenciais. A quem diga que, no Brasil, eleição majoritária que se prese tem que ter candidatos nanicos. Sem eles a eleição fica maçante, sem graça mesmo. De acordo com o Sistema de Divulgação de Candidaturas do TSE (DivulgaCand) teremos 11 candidatos nestas eleições. Pelo menos seis deles são tidos como nanicos, por terem postulações que não devem ter mais do que 100 mil votos em todo o Brasil. Esta é a segunda coluna em que analiso candidaturas que não chegarão ao 2º turno. Na primeira, tratei de Levi Fidelix, que tem perfil ideológico bem definido a direita. Agora, vou analisar uma candidatura com perfil ideológico marcadamente à esquerda.
 
José Maria de Almeida é candidato a presidente da República pela 4ª vez. Ele ficou conhecido pelo bordão "contra burguês, vote 16" que era usado nas propagandas eleitorais do seu partido, o PSTU. Zé Maria é o típico candidato da esquerda. A sua história se confunde com a de Lula, com a diferença que o primeiro não aderiu ao pragmatismo fisiológico que o segundo pratica como poucos. Zé Maria foi uma das lideranças daquelas greves do ABCD paulista do final da década de 1970. Ele foi preso, em 1980, junto com Lula, e mais 10 sindicalistas, e enquadrado na Lei de Segurança Nacional. Zé Maria ficou três meses preso. Ao ser libertado, participou da fundação do PT e da CUT.

Zé Maria diz que teve que deixar o PT, pois o partido não fez as mudanças que se esperava. Aliás, ele não saiu do PT. Na verdade, ele foi expulso quando o PT começou a se “endireitar”, como ele mesmo gosta de dizer. A expulsão de Zé Maria do PT se deu quando sua tendência “Convergência Socialista” defendeu o “Fora Collor” em 1992. Pois é, a direção do PT queria o impeachment de Collor, mas não parecia aceitar que a sociedade se mobilizasse para isso. Zé Maria foi candidato a presidente pela primeira vez em 1998. De lá até aqui suas ideias e seu programa político quase não mudaram. A única mudança perceptível foi na forma, pois o bordão “contra burguês, vote 16” foi aposentado para esta eleição.

O bordão saiu, mas as ideias socialistas permaneceram remanescentes do tempo em que a classe operária iria fazer uma revolução, armada de preferência, e tomar o poder da burguesia. Percebe-se a atitude revolucionária no apoio as manifestações de 2013. Em 2010, Zé Maria não apresentou um programa político. Ele registrou, no TSE, um manifesto recheado de palavras de ordem. O documento dizia que “o Brasil precisa de uma segunda independência” numa alusão a revolução cubana de 1959. Uma das ideias básicas do PSTU é de que é preciso romper com o imperialismo. Esta seria a única possibilidade de acabar com o desemprego e com o arrocho salarial. Sem isso não se faria reforma agraria e muito menos se combateria a miséria.
 
Neste documento de 2010, se fala na formação de uma frente continental pela suspensão do pagamento da dívida externa. Aqui, se defende o rompimento unilateral com o FMI, pois sem isso não se faria nada no Brasil em termos de desenvolvimento. Outra tese do PSTU é a defesa da expropriação de todas as propriedades fundiárias do país, sem que seus proprietários sejam indenizados. Dessa forma todas as terras do país passariam a ser propriedade do Estado brasileiro. As empresas nacionais e estrangeiras, que dominam os principais ramos de produção, seriam expropriadas para o bem público, sem indenização, claro.  Com isso, o que Zé Maria defende, de fato, é a criação de um super Estado controlador de tudo e de todos.

Essas ideias seriam muito boas não fosse o fato de que elas não passam de ideias, apenas ideias. O problema do PSTU é o mesmo dos partidos burgueses que tanto combate: tem muitas ideias e propostas, mas não diz como coloca-las em prática. A mãe de todas as contradições de Zé Maria é a de seguir atuando no processo eleitoral mesmo que desconfie da legitimidade das eleições. Ele tem dito que "as eleições não podem produzir mudanças, pois são controladas pelas grandes empresas”. Zé Maria diz que segue sendo candidatando para promover suas ideias e fazer seu partido crescer. Mas, a tirar pelos resultados das outras eleições, essa estratégia parece frágil. Vejam que em 1998, Zé Maria teve 202.659 votos, ficando apenas em 7º lugar.

Nas eleições de 2002, teve seu melhor momento chegando a 402.236 votos, ficando em 5º lugar, apesar de que só havia seis candidatos. Já nas eleições de 2010, Zé Maria teve minguados 84.609 votos, ficando em 6º lugar, num total de 09 candidatos. Essa é a questão. Importariam menos as ideias e mais o fato de aproveitar o momento eleitoral, do qual tanto se desdenha, para divulgar ideias e promover o crescimento das fileiras do partido. Mas, o que explica o fato do PSTU parecer estar enxugando gelo? O fato é que as ideias anacrônicas do PSTU não atraem o eleitorado em sua maioria com menos de 35 anos idade. A questão é que os nanicos da esquerda só olham para seu próprio umbigo e esquecem o que está no entorno social deles.
Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com
AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Postagens populares