quinta-feira, 24 de maio de 2012

A CPMI DO CACHOEIRA COMEÇA A FAZER DAS SUAS.


Dizia Maquiavel que importa mais o mundo real do que o mundo das ideias. No mundo real, a realidade política importa independente se concordamos ou não com ela. A realidade política existe para provar que podemos estar ou não errados. Na Coluna Politicando do dia 27 de abril eu analisei a atuação do Senador Vital Filho.



Afirmei que ele sabe bem como projetar-se. Que ao se aliar a Renan Calheiros, uma espécie de padrinho seu no senado, ele foi ocupando mais e mais espaços. Mostrei como Vital Filho tem atuação de destaque no senado. Ele compõe comissões permanentes e a corregedoria da casa, além de ser relator da lei geral da copa do mundo. Mas, eu disse, também, que se as condições normais de temperatura e pressão ficarem anormais as coisas mudam. E a realidade vem com força cobrar seu preço.



Quando começaram as articulações para a instalação da “CPMI do Cachoeira” ficou claro que o PMDB presidiria a comissão e o PT ficaria com a relatoria. Vital Filho foi convidado a ocupar o cargo de presidente da CPMI. De pronto ele rejeitou, alegando os vários compromissos assumidos. Talvez pela insistência de Renan Calheiros, ele terminou aceitando e na condição de presidente da CPMI ganhou os holofotes da mídia. O fato é que teria sido melhor Vital Filho não ter aceito o convite.



Tudo caminhava bem, até que a Folha de São Paulo de ontem trouxe uma reportagem que pode comprometer em muito a atuação do senador Vital Filho. A Folha de São Paulo afirma que Vital Filhoº contratou como funcionária fantasma, em seu gabinete, a estudante Maria Eduarda Lucena dos Santos.



Ela é filha do jornalista Adelson Barbosa, que trabalha no Jornal Correio da Paraíba e presta serviços de assessoria de comunicação ao senador Vital Filho. Adelson não podia ser contratado pelo senado por já ter um vínculo trabalhista. Daí contratou-se a filha dele apenas para receber o dinheiro. Na verdade, ela emprestou seu nome e CPF.



Maria Eduarda foi contratada como assistente parlamentar para receber R$ 3.450,00 e repassar para seu pai. De qualquer maneira ela não tem tempo para ir a Brasília. É que concentra energias no processo que move contra o cantor Michel Teló pela autoria da “música” (se é que se pode chamar isso de música) “Aí, se eu te pego”. Pelo visto, o hit “Aí, se te pego” começou a fazer efeito. A FSP pegou o presidente da CPMI no chamado nepotismo cruzado.



É que Vital Filho emprega em seu gabinete a filha do ex-governador José Maranhão, a mãe do deputado federal Hugo Motta, uma prima do ex-senador Ney Suassuna e até mesmo a esposa do coordenador de comunicação da PMCG.



De pronto, me veio à mente que pesou sobre o ex-senador Efraim Morais a mesma acusação. Todos lembram que por dias a fio a imprensa nacional explorou o caso. É difícil fazer alguma relação, mas o fato é que Efraim não conseguiu se reeleger senador da República. Talvez os eleitores não gostem de saber que seus representantes tem o hábito de contratar fantasmas.



Existe uma regra informal no mundo real da política institucional. Quando um ator político se destaca, os outros começam a vasculhar a vida dele. Se um ator político passar uma semana aparecendo todos os dias no Jornal Nacional acionam-se os serviços de busca para que se diminua a potência dos holofotes.

GilBlog - Arquivo

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES

MUSEU DE GRANDES NOVIDADES
Este é o "museu de grandes novidades" do qual nos falava Cazuza. Ante-sala do gabinete do Reitor da Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande.

Siga-me por Email

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers

Marcadores