DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

HABEMUS IMPERIUM?

A expressão “Habemus Papam” (“Temos um Papa") é pronunciada pelo cardeal mais velho da Igreja Católica para que se anuncie que um novo pontífice foi eleito. Isso acontece depois que a chaminé da Capela Sistina expeli aquela fumaça branca. No próximo domingo, por volta das 20 horas, já poderemos anunciar que “Habemus Imperium”, i.e., poderemos dizer que já temos uma nova autoridade constituída para as Unidades da Federação e para nossa Unidade Política, chamada Brasil. Enfim, teremos definido a instância máxima da administração executiva no Estado e no país. Faltam 72 horas para as eleições do 2º turno e a semana está terminando, como começou, em relação às pesquisas eleitorais e a movimentação dos candidatos.

A opinião corrente é que as eleições, estadual e a presidencial, estam indefinidas. Isso é certo, não só pelo que nos dizem as pesquisas, mas, principalmente, pela movimentação que se pode ver nas ruas. Hoje, não se pode afirmar que “Habemus governum”. Hoje, somos uma sociedade dividida. Existe uma bipolarização não apenas entre candidaturas, mas entre projetos político-econômicos, ideias, valores, interesses, gostos e tudo o mais que o caro ouvinte puder imaginar. Mas, isso é ruim? Não, claro que não. Eu, inclusive, costumo desconfiar dos projetos e das candidaturas que prometem a união dos brasileiros em torno de alguma coisa.  Para mim, isso tem o cheiro e a coloração das ideias totalitárias tão correntes em outros tempos.

Somos, para o bem e para o mal, uma sociedade multicultural, diversificada em termos raciais e sociais. Somos, para desespero de alguns, uma sociedade plural. Se é assim, porque ser contra a divisão político-eleitoral que enfrentamos hoje em dia? A despeito do que pensam os falsos moralistas de plantão e do quer essa gente tão politicamente correta o confronto aberto entre os candidatos, nos debates televisivos, é salutar. O caro ouvinte me perguntará, mas e essa baixaria entre os candidatos? Os enfrentamentos entre os candidatos, nos debates, são pautados pela sociedade. Os marqueteiros estam atentos ao que acontece nas redes sociais. Dilma, Aécio, Ricardo e Cássio aceitam chafurdar na lama porque gostam? Talvez.


Parte do público não só gosta como torce para que os candidatos se estapeiem ao vivo e em cores. É estranho que o eleitor/internauta queira os políticos bem comportados nos debates, quando ele mesmo age como um troglodita nas redes sociais. Deixemos esse “bom mocismo” insuportável de lado. Precisamos ver os candidatos por inteiro, sem a proteção do manto sagrado das ilhas de edição, onde se monta o guia eleitoral. Que venha o debate e que se estabeleça o confronto. Ponto final. 

Mas, eu dizia que as pesquisas não escondem a bipolarização eleitoral. Na semana passada elas davam Aécio ligeiramente à frente de Dilma, sempre com empate técnico. No domingo, analistas diziam que as novas pesquisas trariam mudanças. O Datafolha da segunda trouxe (pela 1ª vez neste 2º turno) Dilma, com 52%, a frente de Aécio, com 48%. O levantamento CNT/MDA baixou a margem de erro e cravou Dilma com 50.5% e Aécio com 49.5%. Ou seja, deu empate físico, concreto. Ontem, o Datafolha trouxe sua 2ª rodada da semana mantendo Dilma 4 pontos percentuais a frente de Aécio com sua tradicional margem de erro de 2%. Isso significa que Dilma está virtualmente eleita, já que só faltam três dias para eleição? Não. Isso demonstra que o jogo está indefinido. Mas, entendam essa indefinição dentro de um padrão de regularidade. É preciso lembrar que o padrão dessa eleição foi à indefinição misturada as surpresas de toda sorte.

É bom lembrar, ainda, que desde os meses de março e abril, Dilma apareceu, quase sempre, em 1º lugar nas pesquisas. Claro, a cada nova alteração, surpresa ou fatalidade, os sismógrafos dos institutos de pesquisa acusavam os abalos. Na transição do 1º para o 2º turno Aécio agregou valor, ao seu capital eleitoral, por causa da adesão de Marina Silva. O PSDB passou cerca de duas semanas acertando mais do que o PT nos programas do guia eleitoral. Esses fatores se refletiram nas pesquisas. Mas, o PT reagiu com Lula voltando à campanha e com peças publicitárias explorando o receio das classes C e D perderem suas conquistas. O apoio de Marina a Aécio é um enigma, pois não se sabe quanto ela consegue transferir em termos de votos.

Dilma parece ter recolhido mais apoios pelos Estados onde acontecerá 2º turno. Bom exemplo é o caso da Paraíba. Dilma subiu bem na preferência do eleitorado paraibano depois de ter declarado apoio a Ricardo Coutinho, sendo a recíproca verdadeira. Inclusive, pela 1ª vez, estamos nos preocupando mais com a eleição presidencial do que com a estadual. Vejam que Cássio Cunha Lima colou sua imagem a de Aécio Neves no guia eleitoral, ao contrário do que víamos no 1º turno. Vejam que o PMDB paraibano teve como objetivo central carrear votos para Dilma. Mas, isso tudo não explica como resolveremos o dilema eleitoral. Na verdade, não resolveremos. Depois que o TSE expelir a fumaça branca, e anunciar “Habemus presidente”, o jogo zera e começa tudo novamente.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com
AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers