segunda-feira, 13 de outubro de 2014

O ADVERSÁRIO DE ONTEM É O ALIADO DE HOJE

Eu questionei, aqui no POLITICANDO, com que roupa partidos e atores políticos paraibanos iriam para o 2º turno. Mas, esta seria uma pergunta desnecessária se vivêssemos em um sistema onde as regras do jogo eleitoral fossem sempre respeitadas. Meu questionamento seria uma tolice sem tamanho se nossos políticos não tivessem o hábito de mudar de lado e de opinião entre o 1º e o 2º turnos. Tem político que só se lança candidato a um cargo majoritário visando à transição entre os dois turnos. A estratégia é bem simples. O sujeito se lança candidato a governador ou a presidente, sabendo bem que não tem a menor possibilidade de ir ao 2º turno. Daí, ele vai à luta para garantir entre 5% e 10% dos votos válidos.

Quando acaba o 1º turno ele fica dando entrevistas, fazendo cara de paisagem, a espera das ofertas que os dois candidatos que vão disputar o 2º turno lhe farão. Geralmente, o apoio vem em troca de alguma secretaria ou ministério caso o apoiado seja eleito, claro. Na corrida presidencial estamos vendo alguma coerência. Candidaturas de centro direito e de direita, como o Pastor Everaldo e Eymael, resolveram apoiar Aécio Neves. Luciano Genro tem sugerido, discretamente, que deve votar em Dilma Rousseff. Eu falo em alguma coerência, mas é preciso olhar caso a caso, pois o apoio que Eduardo Jorge emprestou a Aécio é tão confuso quanto foi o candidato verde na campanha do 1º turno. E vejam que eu não estou falando de Marina Silva e seus dilemas políticos.

Dilma parece ter lançado mão de uma estratégia mais pragmática e buscou o apoio dos que se saíram vitoriosos nas urnas do 1º turno ou que vão disputar o 2º turno. Foi assim que Dilma e Michel Temer vieram no mesmo dia a Paraíba na semana que passou. Eles vieram dar e receber apoios. Aqui na Paraíba o quadro é confuso e, como sempre, nada republicano. Como se sabe, o PMDB de José Maranhão e Vital Filho declarou apoio a Ricardo Coutinho, se realinhado ao PT que já vinha apoiando o governador. Mas, em se tratando do PMDB nada é claro, nem tudo é transparente. O mesmo PMDB que foi a justiça, no 1º turno contra o PT, agora se alia aos petistas para apoiar Ricardo. Até quando durará esta aliança? No máximo até as eleições municipais de 2016.

No PMDB, que está mais para frente política do que para partido, não há entendimento estre suas lideranças. Tem um grupo, mais forte por deter o diretório estadual, que apoia Ricardo e tem os que apoiam Cássio, mesmo que sem muita convicção. Ainda tem um terceiro bloco, espremido entre os dois primeiros, que quer ficar neutro neste 2º turno, como se isso fosse possível. O deputado estadual reeleito, Raniery Paulino, é um dos que defende a neutralidade. Raniery disse que “Ricardo não fez e Cássio desfez”. Ele afirmou que ambos não foram bons para a sua cidade de Guarabira. Como o pai de Raniery é o ex-governador Roberto Paulino, que apoia Ricardo, essa tal neutralidade deve ruir em breve.


Já o PMDB cassista tem nos deputados Trócolli, Manoel Júnior e Olenka Maranhão suas principais expressões. Claro, eles estam no caminho contrário ao da direção estadual para maximizarem seus interesses mais do que particulares. O PMDB se dividiu ainda naquele processo nada republicano de definição das candidaturas e coligações para as eleições. O deputado federal eleito Veneziano Vital disse, em tom de ameaça, que após as eleições essas questões serão resolvidas. Será que vão rolar cabeças no PMDB? Mas, nada disso deve preocupar o eleitor, pois o comportamento antirrepublicano de todos esses atores se dá independente da posição politica que eles estejam adotando. É que, na Paraíba, o adversário de ontem é o aliado de hoje e vice-versa.

Mas, aonde a confusão reina mesmo é em torno do PSB e de suas opções. Ricardo Coutinho é candidato à reeleição pelo PSB. Inclusive ele apoiava, meio a contra gosto é bem verdade, a candidatura de Marina Silva no 1º turno.  Agora Ricardo apoia Dilma. Seria de se esperar que o PSB nacional apoiasse Ricardo, pois se ele for eleito o partido contará com mais um governador. Mas, o PSB nacional declarou apoio a Cássio Cunha Lima seguindo a orientação da aliança com o PSDB de Aécio Neves. Assim, o partido do governador da Paraíba não o apoia mesmo que ele esteja disputando a eleição do 2º turno. Este partido prefere apoiar a oposição ao governador que por sua vez apoia a presidente da República.

Dito de outra forma o PSB de Ricardo nunca quis apoiar Marina, mas não podia apoiar Dilma. O PSDB de Cássio apoia Aécio, claro, mas recebe o apoio de parte do PMDB, que compõem a chapa da Presidente Dilma, que sofre oposição do PSDB de Aécio. Pasmem, mas neste momento quem está sendo mais coerente é o PT paraibano que brigou para se aliar com Ricardo Coutinho, venceu a queda de braço com o PMDB, e segue forte, não sei se tão firme, ao lado do governador. Essa é a situação de momento na pequena e heroica Paraíba. O caro ouvinte conseguiu entender tudo? Não? Pois é, mas é mesmo para não entender. Os partidos e atores políticos preferem que seja assim, confuso, atabalhoado, feito de um jeito que só eles conseguem entender.
Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

Postagens populares