DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

AÉCIO – A ANATOMIA DE UMA DERROTA


O caro ouvinte sabe quem é a estudante Ana Claudia Maffei? Não? Pois é, até o começo da noite de domingo passado, Ana Claudia era uma ilustre desconhecida do Brasil inteiro. Mas, a partir da segunda, ela ficou sendo conhecida como a “musa da derrota”. Ana Claudia é aquela moça que foi flagrada, aos prantos, na sede do PSDB, em São Paulo, após a derrota de Aécio Neves na eleição presidencial. Ana Claudia disse que seu choro foi de “frustração por saber que chegamos tão perto e não conseguimos”. Ana Claudia tem apenas 22 anos. Com o idealismo e a ingenuidade naturais de sua juventude ela disse: “Não vai ser agora. Meu sonho de país foi adiado”. Certo, a que se ter todo respeito pelas lamúrias de Ana Claudia.

Afinal, não é fácil aceitar a derrota quando se esteve tão perto da vitória. Alguém me falou que preferia ter perdido a eleição já no 1º turno, por uma grande diferença, a ter alimentado tantas esperanças por um resultado positivo. Aliás, esse foi o problema. O marketing de Aécio Neves alimentou a esperança de uma vitória, quando a derrota era plausível, durante quase toda campanha. Aécio só ocupou o 1º lugar nas pesquisas já no 2º turno e mesmo assim sempre dentro das margens de erro, com empates técnicos. Quando a marolinha de Marina Silva se tornou um tsunami, Aécio patinou e foi aos 15 pontos percentuais.  A entrada de Marina revolveu a disputa ao ponto de Aécio se desesperar e até considerar desistir da disputa. Isso foi entre agosto e setembro.

Na época, o jornalista Gerson Camarotti publicou, no Portal G1, que Aécio ponderava desistir diante da queda nas pesquisas e das dificuldades de seu candidato em Minas, Pimenta da Veiga, que terminou perdendo a eleição para o PT ainda no 1º turno. Aécio temia perder em seu estado, o que de fato aconteceu. Esse foi o problema bem explorado pelo marketing de Dilma Rousseff. É que se o senador não conseguiria vencer em seu Estado, em sua região, como poderia vencer, por exemplo, no Norte/Nordeste? Aquela agressiva peça publicitária do PT, que dizia “Quem conhece o Aécio, não vota nele”, funcionou porque o PSDB não tinha como se contrapor ao fato de que em Minas Gerais Aécio não conseguia ter o suficiente desempenho para derrotar o PT.


Uma avalição pós-eleitoral dá conta que Aécio ganhou em Estados onde seus aliados estavam bem situados. Jornalistas “tucanizados” dizem que Aécio ganhou em São Paulo, por exemplo, por causa do capital eleitoral de Alckmin, não por ele próprio. Beto Richa, governador reeleito pelo PSDB no Paraná, mostrou que a votação de Aécio, no 2º turno, foi quase a mesma que ele teve para se eleger no 1º turno. Situação parecida aconteceu em Goiás, onde o PSDB também ganhou a eleição estadual. Outro fator que ajuda a explicar a 4ª derrota seguida, do PSDB sobre o PT, foi a condução da própria campanha. O FLA X FLU PT/PSDB se ancora, em grande medida, na influência que Lula e FHC possuem nesse processo que já dura 20 anos.

Lula demorou a entrar na campanha, mas quando o fez foi de forma decisiva. No 2º turno, lá estava Lula pelos palanques, nas atividades de rua, e no guia eleitoral, garantindo que Dilma receberia parte de seu capital eleitoral. Já FHC não entrou em campanha, por preferir os bastidores. Ele não aparecia no guia eleitoral e muito menos ia as ruas. Sem contar que ainda foi capaz de atrapalhar ao dizer que os eleitores de Dilma são a parcela menos informada da população. Uma boa explicação veio do núcleo do PSDB mineiro. O antropólogo Renato Pereira, que conduziu a campanha de Aécio até dezembro, afirmou que o erro maior foi os tucanos nunca terem saído da zona de conforto, não terem corrido riscos.


Renato afirmou que o PSDB manteve-se fiel a sua feição patrimonialista com uma campanha focada nos acordos político-partidários. Aécio falava para os aliados. Aqui mesmo na Paraíba, Aécio se dirigia sempre ao seu aliado Cássio Cunha Lima. Já Dilma cumpria o receituário de que candidato firma acordo com o eleitor. Outro erro foi explorar o apoio de celebridades desmioladas e figuras sem a mínima estatura moral, para pedir seja lá o que for para quem quer que seja, a exemplo de Lobão e Neymar. Para ficar num exemplo, como se pode permitir que o ex-jogador Ronaldo, aquele que disse que “não se faz Copa do Mundo com hospitais”, estivesse tanto ao lado de Aécio? Se uma vitória se faz com acertos, uma derrota se faz com erros.

Erros graves de Aécio foi ter dito que Armínio Fraga seria seu Ministro da Fazenda, lembrando aos eleitores o período inflacionário comandado pelo economista, e ter chamado Dilma de leviana. Pareceu que ele estava chamando a presidente, uma senhora, de “mulher da vida”. Por vezes, Aécio parecia o “candidato de um discurso só” ao explorar de forma tão insistente o envolvimento do PT com os casos de corrupção. É que esse discurso não é propositivo, ele se aloca no campo das denuncias. É certo que parte da sociedade comprou a ideia de que não reeleger Dilma significaria livrar o Brasil das garras do PT, mas a outra parte da sociedade questionava se estaríamos melhor caso nos livrássemos do PT. Pensado bem, Ana Claudia chorou ao se dar conta que sua causa era frágil.

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers