DIRETAS JÁ!

DIRETAS JÁ!

sábado, 4 de outubro de 2014

JÁ TEMOS NÚMEROS, VAMOS AS URNAS!


Como não poderia deixar de ser, hoje eu vou tratar de pesquisas e de eleição no POLITICANDO de nº 500. Nesta quingentésima coluna eu só poderia mesmo falar do assunto que dá vida e é a própria razão de ser do POLITICANDO. Esta coluna é um espaço para o exercício da análise não só da politica institucional, como das coisas de nossa realidade social e de nossa cultura política. Na verdade, tudo pode ser motivo de análise no POLITICANDO. Não tudo, mas aquilo que eu, minhas ironias, meu inconformismo e até meu mau humor matutino podem dar conta em relação a esse Brasil nada republicano. Apesar de que, eu não tenho do que me queixar. Pois se não fosse assim, o POLITICANDO, provavelmente, não existiria.

Ontem o Grupo 6SIGMA e a CAMPINA FM lançaram sua última pesquisa com dados para a eleição ao governo da Paraíba no próximo domingo. A pesquisa consolida o fato de que só decidiremos esta eleição num 2º turno. Ou será que não? O caro ouvinte, que me honra com sua fiel audiência, desculpe a redundância, mas esta eleição pode ser eleita a mais complexa dos últimos 15 anos. A eleição estadual, e a presidencial, estam recheadas de fatos e variáveis que as diferenciam de muitas outras. A eleição paraibana de 2014 se tornará um case para analistas políticos, jornalistas, pesquisadores e todos que se interessam por eleições. No futuro, vamos sempre nos referir às eleições de 2014 como a que implodiu algumas verdades.

Vemos dois candidatos que, mesmo com elevados índices de rejeição, lideram as pesquisas. Cássio Cunha Lima aparece com 29.9% e Ricardo Coutinho com 25.4% na rejeição, que é aquele quesito onde o eleitor diz em quem não vai votar. É bom sempre lembrar que um desses dois senhores irá governar a Paraíba a partir de 01 de janeiro de 2015. O caro ouvinte me ajude a atentar para a brutal contradição.  É que um dos dois candidatos mais rejeitados pelos eleitores vai, sim, ser eleito. Sempre poderá se dizer que os mais bem colocados nas pesquisas são os que mais podem ser rejeitados pela exposição a que são submetidos. Os marqueteiros trabalham esse dado como um dogma das pesquisas.

 
Mas, é bom lembrar que os eleitores não rejeitam um político apenas porque ele é candidato. A rejeição é o somatório das impressões que o eleitor vai colhendo sobre o político ao longo de sua carreira e, claro, da campanha onde ele é candidato. O que mais chama atenção é o fato de que tanto Cássio como Ricardo romperam a barreira dos 27 pontos percentuais na rejeição. Se aceita, ou se aceitava, a liquidação de um candidato que ultrapassasse os 27% de rejeição em algum momento da campanha. Ricardo, por exemplo, chegou a 33% de rejeição. No começo da campanha, muitos diziam que o governador não seria reeleito exatamente por causa de sua rejeição e de sua difundida incapacidade de lidar com o contraditório.

Cássio nunca teve uma rejeição abaixo dos 15 pontos percentuais nesta eleição. Com o desenrolar da campanha, ela cresceu e se duplicou. O conhecido carisma do senador pouco se fez presente nesta eleição. Aliás, esse é um dado que pode explicar muita coisa. Ao contrário de outras campanhas, nesta, vimos um Cássio temperamental, demonstrando certa impaciência para com as coisas do dia-a-dia eleitoral. Por vezes, vi um Cássio protocolar. Era como se ele estivesse cumprindo matematicamente um ritual. Já Ricardo surpreendeu por não se deixar acompanhar pelo seu habitual mau humor. Vimos um Ricardo cordato, paciente e, pasmem, sorridente. Em dois debates que acompanhei de perto pude presenciar e atestar estes dois extremos.

Não faz mais sentido falar em pesquisa espontânea a essa altura do jogo, tratarei da pesquisa estimulada, pois ela nos faz constatar que teremos 2º turno, salvo uma erupção vulcânica na Paraíba. O fato é que o eleitor paraibano acha prematura decidir agora. Ricardo conseguiu crescer ao longo da campanha enquanto Cássio controlou seus números para não perder a vantagem que sempre teve. No início da campanha, Ricardo tinha média de 23% nas pesquisas. Ter chegado a quase 40% é algo a não se desconsiderar. Cássio manteve média de 40% ao longo da campanha. As questões de agora são: (1) conseguiria Ricardo crescer mais ao ponto de ultrapassar Cássio?; (2) Cássio teria chegado ao seu teto, ou seja, teria estacionado nestes 40 pontos percentuais?

Vital Filho conseguiu chegar aos 5.2%. Ele esteve sempre patinando naqueles 4% vexatórios em se tratando da candidatura do PMDB. O Major Fábio ficou abaixo daquele 1% que sempre vinha tendo. Ou seja, perdeu o que nunca teve. Tárcio Teixeira teve a rejeição, de 1.3%, mais baixa entre todos os candidatos. Isso só demonstra a boa campanha que ele fez. Tarcio bem desempenhou o papel a que se propôs, em que pese ter uma estrutura partidária frágil. De nossa parte não resta muito a fazer, a não ser votar no domingo. Já os candidatos ainda podem fazer muito, pois sabemos que, na Paraíba, uma eleição pode ser definida nos dois últimos dias. Ou será que mais esta verdade será desconstruída?

Você tem algo a dizer sobre essa COLUNA ou quer sugerir uma pauta? gilbergues@gmail.com

AQUI É O POLITICANDO, COM GILBERGUES SANTOS, PARA A CAMPINA FM.

Nenhum comentário:

GilBlog - Arquivo

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO

ÚLTIMO ARTIGO PUBLICADO
Este foi um dos últimos artigos que publiquei: “SOMOS TODOS UM BANDO DE ARAMIS". Neste artigo analiso porque somos avessos à consolidação de nossa democracia. Discuto a contradição de praticarmos procedimentos democráticos enquanto cevamos um ancestral saudosismo de nosso passado ditatorial. Sugiro refletirmos sobre o paradoxo de parte da sociedade usar a liberdade de expressão para pedir um regime que pode acabar com ela. http://www.paraibaonline.com.br/colunista/santos/9920-somos-todos-um-bando-de-aramis---parte-i.html

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL

OBRAS DE ARTE EM FORMA DE VINIL
Este é o primeiro disco do Pink Floyd. Já começou assim mesmo: psicodelizado, distorcido, viajadão, cheio de efeitos! É daqueles discos para ouvir vez por outra acompanhado de algo que te dê alguma distorção mental. Aliás, o Floyd começou muito bom, esteve uma época fantástico, e terminou bom! Neste disco temos Syd Barret com Roger Waters, Rick Wright e Nicky Mason, sem David Gilmour, ainda.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Seguidores

Google+ Followers